Portugal tem 5 escolas de negócios com mestrados no top 50 mundial

Ranking do Financial Times dedicado aos mestrados em Finanças conta este ano com uma representação portuguesa reforçada.

Este ano, há cinco escolas portuguesas de negócios entre as 55 que integram o ranking do Financial Times dedicado aos mestrados em Finanças. A listagem é liderada por cinco instituições francesas, depois de avaliadas em 17 indicadores, em várias dimensões.

No ranking global, a instituição portuguesa com melhor classificação é a Nova SBE, em 9.º lugar na Europa e em 11.º no mundo, tendo subido quatro posições na avaliação europeia e três na mundial. No entanto, no indicador da empregabilidade, destaca-se o ISEG, em 1.º lugar no mundo, por conseguir colocar a totalidade dos seus graduados em menos de 3 meses.

A Nova School of Business & Economics garante 99% na empregabilidade a 3 meses, com um salário estimado de 104 mil dólares anuais, numa subida de 15% face ao ano anterior, diz a instituição em comunicado.

A escola consta do "grupo de elite" do Top 10 dos "melhores mestrados" europeus em Finanças, evolução que leva Daniel Traça, dean da Nova SBE, a comentar: "Os resultados deste ranking são a prova de que a ambição da Nova SBE de se tornar numa escola Top 10 do ranking do Financial Times é possível. Esse foi o compromisso que assumimos com a sociedade portuguesa e estamos a cumpri-lo. A nossa aposta em crescer, em internacionalizar e em transformar para as competências do futuro está a gerar excelentes resultados".

Outra escola habitual no ranking é a Católica-Lisbon School of Business & Economics, a escola portuguesa com a segunda melhor classificação geral, ao ter subido seis posições e ficar em 17.º a nível mundial na oferta de mestrados em Finanças.

Na progressão salarial, os graduados da Católica viram aumentado o seu salário médio em 73% nos primeiros três anos, o que coloca a instituição no Top 4 a nível mundial nesta categoria. E está na 8.ª posição a nível mundial em termos de progressão de carreira, indica a escola em comunicado. Em relação à empregabilidade, 95% dos graduados "têm emprego até 3 meses após o final do programa".

Segundo Filipe Santos, dean da Católica-Lisbon, "é notável" a ascensão da escola nos rankings, "alcançando o topo da qualidade a nível mundial em apenas 4 anos". Continuaremos a nossa missão de receber os melhores alunos de Portugal e de toda a Europa para lhes proporcionar uma carreira em Finanças verdadeiramente internacional, com uma sólida formação analítica, ética, e com impacto positivo na sociedade", acrescentou.

Em termos remuneratórios, o ISEG-Lisbon School of Economics & Management, que na classificação geral estabeleceu-se na 34.ª posição, ficou no Top 15 mundial dos aumentos salariais, com uma subida na ordem dos 62%. Segundo a instituição, foi a "décima melhor relação custo-benefício, permitindo aos estudantes uma rápida recuperação do investimento académico".

Clara Raposo, dean do ISEG, atribui o desempenho alcançado "à enorme qualidade" dos programas, "mas também ao trabalho incansável para garantir" que atraem "os melhores alunos, em Portugal e no mundo", e que os preparam para "serem pioneiros (...) no comando da economia do futuro".

O ranking do Financial Times tem ainda mais duas instituições portuguesas: o ISCTE Business School, na 41.ª posição, quando na edição anterior estava na 51.ª, e a Faculdade de Economia da Universidade do Porto, cujo mestrado em Finanças entrou pela primeira vez na listagem, ocupando o 49.º lugar.

Em comunicado, a FEP destaca o facto de o curso em causa ter sido considerado o "sétimo melhor em todo o mundo em termos de retorno do investimento académico". Para o diretor da FEP, José Varejão, a presença da academia no ranking "é o resultado do trabalho que toda a escola tem vindo a fazer, em particular no domínio da internacionalização. Trata-se de mais um reconhecimento que nos estimula a trabalhar no sentido de continuar a proporcionar aos nossos estudantes uma sólida formação académica e a criar talento e impacto na sociedade".

tcosta@dinheirovivo.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG