Os seus trabalhadores estão felizes? A Fundação José Neves ajuda

No dia da Saúde Mental, que se celebra dia 10, a FJN vai publicar uma série de guidelines para promover o bem-estar dos jovens e dos trabalhadores. Iniciativa inclui o "Guia para empresas: como promover o bem-estar e saúde mental dos trabalhadores".

Contando já com mais de 37 mil utilizadores registados em Portugal, a aplicação de desenvolvimento pessoal 29k FJN ganha hoje novos desafios, dando força à missão da fundação de ajudar a despertar a consciência individual, fortalecer o lado humano e promover o bem-estar e a saúde mental dos portugueses.

"Queremos chegar a cada vez mais portugueses. Fazemo-lo através da App 29k FJN e de conteúdos práticos que impactem os diversos setores da sociedade, nomeadamente as famílias, os adultos e os jovens, as escolas, os professores e os encarregados de educação, as empresas e os gestores, mas também os agentes decisores nacionais", explica o presidente executivo da Fundação José Neves, Carlos Oliveira. Para o responsável, "há um longo caminho a percorrer para incluir nas dinâmicas sociais uma cultura que identifique e atue perante situações de perigo e que promova permanentemente a saúde mental e o bem-estar. Cuidar da nossa mente é tão importante como cuidarmos da nossa saúde física", diz.

100% digital, gratuito e em português, o 29k FJN disponibiliza 14 cursos - três deles direcionados a jovens entre os 15 e os 20 anos -, 22 meditações, 25 exercícios, 3 testes, 6 check-in e agora três desafios, sendo que dois são lançados no dia 10. O desafio "Encontra os teus valores" tem a duração de dez dias e promove uma exploração do mundo interior e a forma de identificar e aplicar os valores de forma a dar o máximo propósito a cada um dos dias.

Por sua vez, o exercício "Lidar com emoções difíceis" é o desafio 29k FJN para aprender estratégias que melhorem a capacidade de lidar com emoções difíceis.

Dirigido a todas as empresas e gestores que queiram melhorar a sua atividade e garantir o bem-estar e a saúde mental dos seus trabalhadores, o guia para empresas agora lançado revela, entre outros dados, que investir na saúde mental dos trabalhadores pode ter retorno económico. Na Europa, a falta de saúde mental custa anualmente cerca de 240 mil milhões de euros, quantifica o guia. Revela ainda que "os trabalhadores passam cerca de 12 dias por ano no trabalho sem conseguirem ser produtivos e que os portugueses trabalham mais horas do que a maioria dos europeus". Por outro lado, há boas notícias: cerca de 70% das pessoas com problemas de saúde mental podem recuperar totalmente.

A Fundação aponta por isso que não há sucesso empresarial sem saúde mental e bem-estar dos trabalhadores. "O maior valor das empresas é o capital humano e as pessoas que aí trabalham. Ambientes de trabalho pouco saudáveis e estimulantes e geradores de stress continuam a ser uma realidade persistente nas empresas o que, consequentemente, diminui a produtividade dos trabalhadores e compromete o sucesso das empresas", conclui a FJN.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG