Nova rede móvel 5G já chega a 64% dos concelhos e a 28% das freguesias do país

Primeiro balanço da Anacom sobre a rede da quinta geração indica que a NOS é o operador com mais antenas 5G, seguida pela Vodafone e Altice. A rede representa 5,3% do tráfego móvel a nível nacional.

A implementação da quinta geração da rede móvel (5G) está em curso. No final do primeiro trimestre, já havia 2918 estações de rede 5G espalhadas por 198 concelhos (64% dos concelhos) e 859 freguesias (28% das freguesias), revelou ontem a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), naquele que é o primeiro balanço sobre o desenvolvimento do 5G no país.

Nesta altura, a NOS é o operador com mais estações de rede 5G instaladas. Contavam-se 1937 estações (ou 66% de um total de 2918) no final de março. Segue-se a Vodafone, com 534 estações (18%), e a MEO, com 447 (15%).

O regulador liderado por João Cadete de Matos indica, contudo, que a informação recolhida ainda "não é suficiente, por si só, para aferir o cumprimento das obrigações de cobertura ou de desenvolvimento de rede que impendem sobre os operadores que adquiriram espetro no leilão". No entanto, identificou "situações bastante díspares quanto às características do acesso ao 5G disponível dos concelhos do país que já dispõem de estações".

Apesar de a NOS sair na frente no 5G, a Anacom lembra que a empresa liderado por Miguel Almeida "é o operador com menor número de estações [10.267 instaladas no país]", se se considerarem também as redes 2G, 3G e 4G.

No conjunto das redes móveis e fixas disponibilizadas, é a Vodafone que tem mais estações instaladas: 14.684, que correspondem a 38% de um total de 38.730; segue-se a Altice, com 13.779 estações de rede, ou 36% do total de antenas existentes.

Quanto à rede 5G, "a grande maioria das estações, 79% do total, correspondendo a 2316 estações, localiza-se em áreas predominantemente urbanas". Apenas 325 (11%) estão instaladas em áreas mediamente urbanas e 277 (10%) em áreas predominantemente rurais.

Analisando ainda a distribuição das estações 5G, a Anacom conclui que "apenas 13% do total (372) estão instaladas em freguesias de baixa densidade", considerando a densidade populacional. Ou seja, 86% não estão cobertas pela nova geração de redes móveis.

"Apesar da grande maioria das estações 5G estar instalada em freguesias que não são de baixa densidade, apenas cerca de metade dessas freguesias dispõem já de estações 5G", nota a Anacom.

Também no caso das freguesias das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira a proporção daquelas que não dispõem de estações 5G é muito elevada, 88% do total, ou seja, 185 freguesias. Nessas regiões, apenas 25 freguesias (12%) dispõem já de 5G.

Outra conclusão do primeiro balanço da Anacom sobre o desenvolvimento do 5G é que, até ao final de maio, "o tráfego cursado em redes 5G representa cerca de 5,3% do total de tráfego de dados móveis".

Segundo o regulador, que realizou milhares de testes à rede, a velocidade de download "situou-se em 306 Mbps [megabits por segundo] , ou seja, um valor superior em 244 Mbps ao observado nos testes 4G e superior em 68 Mbps ao observado em testes de banda larga fixa".

Quanto à velocidade de upload, "observou-se um valor médio de 44 Mbps, ou seja, um valor superior em 24 Mbps ao observado nos testes 4G, mas inferior em 61 Mbps ao observado nos testes de banda larga fixa".

Quanto ao tempo de resposta da rede (latência), o valor médio situou-se em 26 milissegundos (ms), menos 9 ms do que o registado nos testes 4G, mas mais 9 ms face ao ocorrido nos testes de banda larga fixa.

O concelho de Estarreja, distrito de Aveiro, obteve os melhores resultados em termos de velocidade de upload e download. Já Almeirim, no distrito de Santarém, registou o melhor desempenho em termos de latência (13,8 ms).

José Varela Rodrigues é jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG