Nokia e Siemens estão a contratar 200 engenheiros em Portugal

Empresa finlandesa reforça aposta no país com novo Centro de Excelência e já está a recrutar. Primeiro-ministro António Costa enaltece escolha e define foco na matemática como prioridade para aumentar engenheiros em Portugal.

Em plena Web Summit, a Nokia anunciou um novo Centro de Excelência, focado no digital, "que vai desempenhar um papel à escala global". Ursula Soritsch-Renier, chief information officer (CIO) da multinacional finlandesa, explicou ao DN/Dinheiro Vivo a opção por Portugal: "Já temos uma relação antiga com o país e um centro com duas mil pessoas por cá [na Amadora]. Temos visto um ecossistema no país cativante, onde o talento e competência, a habilidade linguística e a própria localização geográfica se destacam", diz a responsável, que agradeceu também o apoio do governo.

A empresa finlandesa adiantou que está a viver uma transformação global das suas operações e, com centros como este, espera criar uma estrutura de IT sólida que suporte a crescente procura de redes e serviços 5G, cloud e Internet das Coisas. O centro em Portugal, que será um acrescento às instalações já existentes na Amadora, procura profissionais de várias áreas, "tais como solution owners e solution architects, software developers, gestores de produto e de projeto".

Ursula Soritsch-Renier explica que começou já a fazer vídeos no YouTube e iniciativas no LinkedIn em Portugal para começar a atrair talento português. "Vamos ter uma equipa multinacional, mas com mais portugueses e, por isso, precisamos de mostrar que a empresa tem uma atmosfera atrativa com projetos interessantes".

António Costa, que falou no stand da StartUp Portugal após o anúncio oficial, enalteceu a confiança da Nokia no país e o reconhecimento do talento português, considerando ser um "sinal motivador" que tem um significado para a sociedade portuguesa. "Mostra que investir na educação é uma oportunidade para Portugal".

Questionado pelo DN/Dinheiro Vivo sobre a crescente falta de engenheiros para uma procura mais acentuada - com a chegada de cada vez mais empresa tecnológicas ao país -, o primeiro-ministro admitiu que "temos de alargar a base de formação da engenharia, por isso é fundamental termos uma ação específica para aquela que é uma barreira fatal para o acesso às engenharias que é a matemática". António Costa explicou que "uma das prioridades do governo nesta legislatura é, no âmbito do combate ao insucesso escolar, eliminar essa barreira de problemas com a matemática", considerando "ponto chave da política de educação".

Siemens abre ao mundo 100 vagas para Portugal

Também na Web Summit, Pedro Pires de Miranda, CEO da Siemens Portugal, anunciou, em conversa com o primeiro-ministro, um reforço do investimento no país no fabrico de carregadores para veículos elétricos - com uma expansão da fábrica de Corroios. Haverá também uma aposta na contratação de mais engenheiros para a Siemens Portugal, "num recrutamento que será feito a nível mundial". "Vamos atingir essa meta de recrutamento durante a Web Summit", adiantou o responsável.

No evento de Lisboa, a Siemens avançou que recebeu 450 visitas internacionais - a maior delegação de sempre da empresa na Web Summit -, considerando que esta é uma forma de reconhecimento da Siemens Portugal no palco internacional. Pires de Miranda deixou ainda um pedido ao primeiro-ministro: que possa inaugurar o centro de excelência em software da Siemens.

Siga todos os acontecimentos da Web Summit no Dinheiro Vivo

Exclusivos