Medina mantém meta do défice nos 1,9% do PIB em 2022, mas carga da dívida alivia

Medina decidiu deixar a meta do OE2022 como estava inicialmente, apesar de o PIB nominal estimado para 2022 (o denominador deste rácio) ter engordado de 227 mil milhões de euros em março para 230,5 mil milhões de euros agora.

A meta do défice público deste ano medido em contabilidade nacional (a que conta para Bruxelas e as avaliações internacionais) continua a ser 1,9% do produto interno bruto (PIB), revelou o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta sexta-feira, no reporte semestral associado ao Procedimento dos Défices Excessivos, documento que cita as melhores estimativas enviadas pelo Ministério das Finanças (MF).

Portanto, estamos em finais de setembro, a menos de um mês do novo OE2023 - Orçamento do Estado para 2023 (que virá com novas metas, estimativas e previsões para este ano e o próximo), mas o Terreiro do Paço optou por manter tudo igual no saldo orçamental proposto no OE atualmente em execução.

Medina decidiu deixar essa meta do OE2022 como estava inicialmente (março/abril), apesar de o PIB nominal estimado para 2022 (o denominador deste rácio) ter engordado de 227 mil milhões de euros em março para 230,5 mil milhões de euros agora.

O défice não mexe, mas o rácio da dívida alivia face ao quadro de abril passado. Segundo mostra agora o INE, a carga da dívida deste ano (cuja meta era de 120,7% do PIB há seis meses, a 25 de março, um mês depois de a Rússia invadir a Ucrânia) deverá ser mais leve, mas unicamente por força do aumento do tamanho da economia portuguesa para, como referido, um PIB nominal de 230,5 mil milhões de euros.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG