Transferências bancárias vão ser imediatas e grátis na Europa

A partir de dia 21, vai ser possível realizar uma transferência de dinheiro em 10 segundos. E de borla. Para já, só em nove países, mas a iniciativa será alargada a todos até novembro de 2018

Transferir dinheiro quase em tempo real entre os diferentes países europeus vai ser uma realidade já a partir de terça-feira, dia 21. E grátis. Para já, as operações vão ser limitadas a um máximo de 15 000 euros e só em nove países - Espanha, Alemanha, Itália, Áustria, Estónia, Letónia, Holanda, Finlândia e Lituânia -, mas o objetivo é alargar esta plataforma até novembro de 2018 a todos os 31 países e bancos europeus dentro da Zona Única de Pagos em Euros (SEPA).

Um ano antes da data prevista, o Banco Central Europeu (BCE) vai arrancar com o sistema TIPS (target instant payment settlement) para melhorar as transferências bancárias entre os diferentes países. A promessa é de que o dinheiro passará a estar disponível na conta de qualquer pessoa ou empresa em apenas 10 ou 20 segundos; hoje, uma transferência bancária demora, em média, 24 horas e, em alguns casos, se a ordem for dada pouco antes de um fim de semana, pode chegar a demorar até quatro dias.

O TIPS permitirá aos cidadãos e às empresas efetuar pagamentos através do seu banco, em qualquer ponto da área do euro numa questão de segundos, contribuindo para aprofundar a integração da área do euro, explica o BCE.

O sistema evita os intermediários - o dinheiro para cobrir as operações sairá diretamente de um fundo que as entidades do sistema bancário europeu que aderirem terão depositado previamente. E estará disponível 24 horas por dia, 365 dias por ano.

O êxito desta verdadeira autoestrada dos pagamentos vai depender do número de entidades financeiras que aderirem à plataforma. A adesão a este novo esquema de pagos é opcional e não obrigatória. As entidades financeiras poderão mesmo escolher se querem aderir apenas como recetores ou também como emissores. Mas o Conselho Europeu de Pagamentos, o foro de discussão das diversas ferramentas de pagamentos existentes, responsável por operações superiores a 39 mil milhões de euros só na Europa, apelou já a todos os bancos para aderirem à iniciativa.

Até agora, há um total de 585 bancos de nove países da Europa que aderiram a estas transações expresso. Quase todos os bancos espanhóis, por exemplo, já se juntaram ao programa, incluindo as cooperativas de crédito, enquanto na Alemanha a incorporação dos bancos irá decorrer gradualmente até julho de 2018. Não foi possível saber quando irão os bancos portugueses integrar este novo serviço de liquidação de pagamentos imediatos. Mas o objetivo é que em novembro de 2018 todos os países e bancos que fazem parte da SEPA estejam integrados nesta nova plataforma. Da SEPA fazem parte, além dos 28 países da União Europeia, a Islândia, Liechtenstein, Mónaco, San Marino, Noruega e Suíça. Fica por saber o que irá acontecer com o Reino Unido depois do brexit.

Para já, a grande dificuldade, sobretudo para as empresas, é que estas transferências instantâneas terão um limite máximo de apenas 15 mil euros por operação. A boa notícia é que estes pagamentos internacionais - que inicialmente serão gratuitos - terão um preço máximo para os bancos de 0,20 cêntimos por operação, pelo menos durante os dois primeiros anos de funcionamento, pelo que as transferências de dinheiro para outros países europeus deverão ficar bem mais baratas para todos.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.