Transferências bancárias vão ser imediatas e grátis na Europa

A partir de dia 21, vai ser possível realizar uma transferência de dinheiro em 10 segundos. E de borla. Para já, só em nove países, mas a iniciativa será alargada a todos até novembro de 2018

Transferir dinheiro quase em tempo real entre os diferentes países europeus vai ser uma realidade já a partir de terça-feira, dia 21. E grátis. Para já, as operações vão ser limitadas a um máximo de 15 000 euros e só em nove países - Espanha, Alemanha, Itália, Áustria, Estónia, Letónia, Holanda, Finlândia e Lituânia -, mas o objetivo é alargar esta plataforma até novembro de 2018 a todos os 31 países e bancos europeus dentro da Zona Única de Pagos em Euros (SEPA).

Um ano antes da data prevista, o Banco Central Europeu (BCE) vai arrancar com o sistema TIPS (target instant payment settlement) para melhorar as transferências bancárias entre os diferentes países. A promessa é de que o dinheiro passará a estar disponível na conta de qualquer pessoa ou empresa em apenas 10 ou 20 segundos; hoje, uma transferência bancária demora, em média, 24 horas e, em alguns casos, se a ordem for dada pouco antes de um fim de semana, pode chegar a demorar até quatro dias.

O TIPS permitirá aos cidadãos e às empresas efetuar pagamentos através do seu banco, em qualquer ponto da área do euro numa questão de segundos, contribuindo para aprofundar a integração da área do euro, explica o BCE.

O sistema evita os intermediários - o dinheiro para cobrir as operações sairá diretamente de um fundo que as entidades do sistema bancário europeu que aderirem terão depositado previamente. E estará disponível 24 horas por dia, 365 dias por ano.

O êxito desta verdadeira autoestrada dos pagamentos vai depender do número de entidades financeiras que aderirem à plataforma. A adesão a este novo esquema de pagos é opcional e não obrigatória. As entidades financeiras poderão mesmo escolher se querem aderir apenas como recetores ou também como emissores. Mas o Conselho Europeu de Pagamentos, o foro de discussão das diversas ferramentas de pagamentos existentes, responsável por operações superiores a 39 mil milhões de euros só na Europa, apelou já a todos os bancos para aderirem à iniciativa.

Até agora, há um total de 585 bancos de nove países da Europa que aderiram a estas transações expresso. Quase todos os bancos espanhóis, por exemplo, já se juntaram ao programa, incluindo as cooperativas de crédito, enquanto na Alemanha a incorporação dos bancos irá decorrer gradualmente até julho de 2018. Não foi possível saber quando irão os bancos portugueses integrar este novo serviço de liquidação de pagamentos imediatos. Mas o objetivo é que em novembro de 2018 todos os países e bancos que fazem parte da SEPA estejam integrados nesta nova plataforma. Da SEPA fazem parte, além dos 28 países da União Europeia, a Islândia, Liechtenstein, Mónaco, San Marino, Noruega e Suíça. Fica por saber o que irá acontecer com o Reino Unido depois do brexit.

Para já, a grande dificuldade, sobretudo para as empresas, é que estas transferências instantâneas terão um limite máximo de apenas 15 mil euros por operação. A boa notícia é que estes pagamentos internacionais - que inicialmente serão gratuitos - terão um preço máximo para os bancos de 0,20 cêntimos por operação, pelo menos durante os dois primeiros anos de funcionamento, pelo que as transferências de dinheiro para outros países europeus deverão ficar bem mais baratas para todos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)

Premium

Viriato Soromenho Marques

O monoteísmo do "deus dólar" continua

Em 1866, o jovem Eça de Queirós aproveitou a passagem por Lisboa do moderníssimo couraçado norte-americano USS Miantanomah para escrever na imprensa algumas notas penetrantes sobre a identidade dos EUA. No essencial ele identificava uma tensão matricial em Washington, definida pela oposição entre o "deus dólar", que explicava a violência expansiva, mesmo desumana, do seu capitalismo, e o impulso para a "justiça", traduzido na abolição da escravatura ao preço do enorme sacrifício da Guerra Civil, terminada no ano anterior. Gostaria muito de poder subscrever a tese de que nas recentes eleições intercalares a justiça prevaleceu sobre a idolatria do capital. Infelizmente, o sinal positivo dado pelos eleitores é ainda insuficiente para atenuar a gravíssima patologia da democracia nos EUA.