Transferências bancárias vão ser imediatas e grátis na Europa

A partir de dia 21, vai ser possível realizar uma transferência de dinheiro em 10 segundos. E de borla. Para já, só em nove países, mas a iniciativa será alargada a todos até novembro de 2018

Transferir dinheiro quase em tempo real entre os diferentes países europeus vai ser uma realidade já a partir de terça-feira, dia 21. E grátis. Para já, as operações vão ser limitadas a um máximo de 15 000 euros e só em nove países - Espanha, Alemanha, Itália, Áustria, Estónia, Letónia, Holanda, Finlândia e Lituânia -, mas o objetivo é alargar esta plataforma até novembro de 2018 a todos os 31 países e bancos europeus dentro da Zona Única de Pagos em Euros (SEPA).

Um ano antes da data prevista, o Banco Central Europeu (BCE) vai arrancar com o sistema TIPS (target instant payment settlement) para melhorar as transferências bancárias entre os diferentes países. A promessa é de que o dinheiro passará a estar disponível na conta de qualquer pessoa ou empresa em apenas 10 ou 20 segundos; hoje, uma transferência bancária demora, em média, 24 horas e, em alguns casos, se a ordem for dada pouco antes de um fim de semana, pode chegar a demorar até quatro dias.

O TIPS permitirá aos cidadãos e às empresas efetuar pagamentos através do seu banco, em qualquer ponto da área do euro numa questão de segundos, contribuindo para aprofundar a integração da área do euro, explica o BCE.

O sistema evita os intermediários - o dinheiro para cobrir as operações sairá diretamente de um fundo que as entidades do sistema bancário europeu que aderirem terão depositado previamente. E estará disponível 24 horas por dia, 365 dias por ano.

O êxito desta verdadeira autoestrada dos pagamentos vai depender do número de entidades financeiras que aderirem à plataforma. A adesão a este novo esquema de pagos é opcional e não obrigatória. As entidades financeiras poderão mesmo escolher se querem aderir apenas como recetores ou também como emissores. Mas o Conselho Europeu de Pagamentos, o foro de discussão das diversas ferramentas de pagamentos existentes, responsável por operações superiores a 39 mil milhões de euros só na Europa, apelou já a todos os bancos para aderirem à iniciativa.

Até agora, há um total de 585 bancos de nove países da Europa que aderiram a estas transações expresso. Quase todos os bancos espanhóis, por exemplo, já se juntaram ao programa, incluindo as cooperativas de crédito, enquanto na Alemanha a incorporação dos bancos irá decorrer gradualmente até julho de 2018. Não foi possível saber quando irão os bancos portugueses integrar este novo serviço de liquidação de pagamentos imediatos. Mas o objetivo é que em novembro de 2018 todos os países e bancos que fazem parte da SEPA estejam integrados nesta nova plataforma. Da SEPA fazem parte, além dos 28 países da União Europeia, a Islândia, Liechtenstein, Mónaco, San Marino, Noruega e Suíça. Fica por saber o que irá acontecer com o Reino Unido depois do brexit.

Para já, a grande dificuldade, sobretudo para as empresas, é que estas transferências instantâneas terão um limite máximo de apenas 15 mil euros por operação. A boa notícia é que estes pagamentos internacionais - que inicialmente serão gratuitos - terão um preço máximo para os bancos de 0,20 cêntimos por operação, pelo menos durante os dois primeiros anos de funcionamento, pelo que as transferências de dinheiro para outros países europeus deverão ficar bem mais baratas para todos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.