Reavaliação das casas tira 40 milhões à receita de IMI

Número crescente de proprietários a pedir a atualização do valor das casas fez cair o valor patrimonial dos prédios urbanos

No espaço de um ano, o valor patrimonial (VPT) das casas sujeitas ao pagamento do IMI baixou 4,7 mil milhões de euros. Em 2014, o VPT global dos prédios urbanos ascendia a 419,38 mil milhões de euros; um ano depois era de 414,68 mil milhões. Esta descida deve-se ao acréscimo dos pedidos de reavaliação das casas por parte dos proprietários e a correções feitas no âmbito do processo geral de avaliação de prédios, realizado em 2012. Este efeito, somado a um aumento do número de isenções e à descida das taxas, fez que, no ano passado, a receita do IMI recuasse de 1577 milhões para 1534 milhões de euros. São menos 43 milhões.

Gabriela Nunes comprou um apartamento em 2006 e viu a casa ser avaliada, para efeitos fiscais, em 91 870 euros. No final de 2015, decidiu pedir uma atualização do VPT e o resultado teve reflexo logo no ano seguinte: o valor patrimonial baixou para 67 560 e em vez de 275 euros de IMI pagou 202 euros. Gabriela está longe de ser caso único - são cada vez mais as pessoas que fazem este tipo de pedidos junto das Finanças.

"Há uma maior atenção por parte dos contribuintes sobre esta questão", garante Paulo Ralha, presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos, em declarações ao DN/Dinheiro Vivo, acentuando que as campanhas de informação feitas nos últimos anos, nomeadamente pela Deco, têm permitido às pessoas perceber que há fatores que influenciam a fixação daquele valor, mas que a sua aplicação não é automática. Ou seja, o VPT apenas baixa se o proprietário tiver a iniciativa de fazer o pedido para tal. Estes movimentos acentuam-se quando a conta do IMI chega à caixa do correio.

As Finanças confirmam que "a variação do VPT resulta de correções no âmbito da avaliação geral da propriedade urbana e, bem assim, de novos pedidos de avaliação, designadamente por alteração do coeficiente de vetustez, do valor base dos prédios edificados e do coeficiente de ajustamento de áreas". Entre as várias parcelas que contam na determinação do VPT (sobre o qual incide o IMI) inclui--se o número de anos da casa - que no Código do IMI dá pelo nome de coeficiente de vetustez. Este coeficiente tem uma escala de valores que vão baixando à medida que o imóvel fica mais velho. Outro dos fatores que pesa é o preço por metro quadrado de construção (que na lei se chama "valor base dos prédios edificados"). O preço teve subidas sucessivas de 2003 até 2006, quando atingiu os 615 euros - o máximo até agora registado. De 2009 em diante e refletindo os primeiros sinais de crise, o valor foi baixando até chegar aos 603 euros. Esta evolução ajuda a explicar o caso de Gabriela, cujo resultado do pedido de reavaliação beneficiou logo à partida dos fatores idade e preço. Mas isto apenas aconteceu porque tomou a iniciativa de a pedir, já eu em nenhuma destas situações há lugar a uma correção automática.

Esta ausência de atualização automática tem sido criticada pela Deco, que há quatro anos lançou a campanha "pague menos IMI", onde disponibiliza um simulador para as pessoas perceberem se o pedido lhes será ou não favorável (porque também há riscos de que o VPT possa subir em determinadas circunstâncias). Mas ainda que o processo fique nas mãos do contribuinte (para o bem e para o mal), os dados mostram que já há mais proprietários a pedir uma atualização - processo que é gratuito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.