Produção do T-Roc obriga Autoeuropa a contratar 2500 pessoas

Empresa tinha previsto contratar 1500 operários no início do ano. Reviu para 2000 a meio do ano e já admite recrutar mais

A Autoeuropa vai contratar mais 400 trabalhadores no próximo ano se o novo horário de funcionamento ao fim de semana for aprovado na quarta-feira, adiantou a Comissão de Trabalhadores da empresa ao DN/Dinheiro Vivo, depois das reuniões mantidas com a administração. Vão juntar-se aos 2120 funcionários já recrutados desde o início do ano. Ao todo, a produção do novo T-Roc irá levar a fábrica de Palmela a criar mais 2500 novos empregos, elevando o número de trabalhadores a um total de 5800. E o impacto do novo SUV não se esgota aqui: as fornecedoras da Autoeuropa também vão contratar mais pessoas se o novo acordo for aprovado.

"Se houver acordo, haverá uma aceleração das contratações para o próximo ano. Esta nova fase de recrutamento não estava prevista inicialmente", assume o fabricante de automóveis. Estas contratações poderão arrancar ainda neste ano e abranger todas as áreas de trabalho, sobretudo na montagem. A proposta de horário, que prevê um sistema de rotatividade ao fim de semana, é apresentada hoje em plenário.

O aumento de encomendas do veículo utilitário desportivo T-Roc nos últimos meses justifica este esforço do gigante automóvel alemão. No próximo ano, prevê-se que sejam produzidos 240 mil automóveis na Autoeuropa.

A fábrica da Volkswagen, por tudo isso, já teve de rever, por duas vezes, a meta de contratações para este ano. No final do ano passado, a Autoeuropa tinha 3295 funcionários. No início do ano, tinha previsto recrutar 1500 pessoas; a meio do ano, a fasquia subiu para 2000 operários. Mas até hoje já foram contratadas 2120 pessoas, confirmou o coordenador da comissão de trabalhadores, Fernando Gonçalves, ao DN/Dinheiro Vivo.

Graças a este reforço, a fábrica de Palmela está a bater o recorde de produção diária: saem todos os dias 860 veículos, algo inédito em mais de 20 anos de Autoeuropa. Além dos três turnos de produção de segunda a sexta-feira, desde final de outubro que a fábrica também tem funcionado em alguns sábados, que têm sido pagos como dia extraordinário de trabalho.

O novo horário também terá impacto nas empresas fornecedoras. "Vamos criar novos postos de trabalho se o pré-acordo for aprovado", garantiu Daniel Bernardino, coordenador das comissões de trabalhadores do parque industrial da Autoeuropa, sem indicar um número de contratações necessário. Todos aguardam o referendo.

O pré-acordo para o novo horário de trabalho foi anunciado na segunda-feira pelo coordenador da comissão de trabalhadores da Autoeuropa, Fernando Gonçalves. Se o documento for aprovado pelos trabalhadores, a fábrica vai passar a funcionar todos os dias a partir de 20 de agosto, depois das férias. Inicialmente, o novo horário de trabalho iria arrancar em fevereiro.

A garantia de dois dias de folga consecutivos para os operários é a principal novidade do pré-acordo. Os funcionários estarão na fábrica cinco dias por semana, sábados e domingos incluídos. Estes dias serão pagos como um dia de trabalho normal, detalhou Fernando Gonçalves, em declarações ao DN/Dinheiro Vivo.

Inicialmente, o vencedor das eleições para a comissão de trabalhadores pretendia que estes dias fossem pagos como se fosse um dia de trabalho extraordinário. O novo acordo implica também que os operários trabalhem, no limite, três sábados por mês, ao contrário da versão chumbada no final de julho e que levou à demissão da comissão de trabalhadores anterior. No documento anterior, só existiam dois dias de descanso consecutivos de três em três semanas.

A Autoeuropa congratulou-se com este pré-acordo, que "espera que defenda a empregabilidade da fábrica e consiga cumprir com o elevado volume de encomendas previstas para o ano". O novo acordo também prevê o reforço do investimento na área da pintura.

Produção para a Europa

A produção em série do T-Roc arrancou em agosto, com 200 unidades por dia. Depois das férias, a montagem diária foi duplicada para 400 veículos, com a entrada de um segundo turno de produção. No final de outubro, arrancou a terceira equipa de laboração.

Este SUV é crucial para a estratégia de vendas da Volkswagen e é o primeiro grande modelo saído de Palmela em larga escala .

O T-Roc será vendido no mercado europeu, sobretudo em países como Alemanha e Reino Unido. China também é um dos mercados alvo da marca, mas aí será comercializado um modelo montado localmente e com homologação própria.

À venda na Alemanha desde o início deste mês, o T-Roc estará disponível nos concessionários portugueses a partir de sexta-feira, com um motor a gasolina e outro a gasóleo (ver caixa).

Para produzir este veículo, a Autoeuropa recebeu um investimento de 677 milhões de euros. A fábrica de Palmela é a segunda maior exportadora do país e responsável por quase 1% do PIB.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.