Portugal propõe três novos impostos europeus

Impostos sobre plataformas digitais, empresas poluentes e transações financeiras internacionais serão apresentados na reunião informal do Conselho Europeu de 23 de fevereiro

O governo português defende a criação de três novos impostos europeus para aumentar a participação de cada estado-membro da União Europeia no orçamento comunitário. E vai propor na próxima reunião informal do Conselho Europeu, a 23 de fevereiro, a taxação digital, a taxação verde e a taxação sobre transações financeiras internacionais, segundo a proposta a que o jornal Público teve acesso.

Portugal, à semelhança do presidente da Comissão Europeia Jean Claude-Juncker, defende que a participação de cada estado-membro no orçamento comunitário passe de 1% para 1,2%. Com o brexit, a UE vai perder cerca de 13 mil milhões de euros no orçamento europeu. A necessidade de investir mais em segurança e defesa e a obrigação de negociar o quadro de fundos europeus pós-2020 são outras razões que obrigam Bruxelas a reforçar o bolo orçamental.

Fonte do governo adiantou ao Público que Portugal que quer apostar em impostos que não recaiam sobre os cidadãos dos estados-membros. Daí a aposta na defesa de taxações como a digital (lembrando que há estados que já conseguiram acordos fiscais com empresas tecnológicas e que um imposto europeu dá mais força à negociação e diminui o efeito da desigualdade estado a estado), a verde (sendo que os impostos sobre atividades económicas poluentes está na ordem do dia a nível internacional) ou sobre transações financeiras internacionais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.