Nos Estados Unidos, a Tesla já bate recordes à rival Mercedes-Benz

A empresa norte-americana está também perto de ultrapassar a BMW.

Os números já são conhecidos e ditam uma estreia para a Tesla: ultrapassou a Mercedes-Benz em número de unidades vendidas nos Estados Unidos. De acordo com a Business Insider Australia, enquanto a Mercedes-Benz, conhecida como a maior fabricante de carros de luxo no mundo, vendeu 66.542 veículos no terceiro trimestre deste ano do mercado norte-americano, a Tesla conseguiu vender 69.925.

O relatório foi divulgado pela Atherton Research, que adiantou ainda que a empresa de automóveis elétricos está a uma distância de apenas de 1754 automóveis de ultrapassar também a BMW, resultados que a Atherton acredita que acontecerão no último trimestre de 2018.

A empresa de Elon Musk informou, ainda no início deste mês, que foram vendidos "mais de 80% dos automóveis vendidos em 2017" só no trimestre de setembro, que o CEO da empresa prometeu ser "o trimestre mais incrível" da história da Tesla. No total, 83.500 veículos.

A produtora de carros elétricos norte-americana está desde setembro sob investigação do Departamento de Justiça dos EUA, por fraude, depois de Elon Musk ter feito uma publicação no Twitter onde dizia ter "um fundo garantido". Admitiu sair da bolsa e fez, assim, as ações da empresa dispararem.

Mas a bonança não ficaria por muito tempo. A investigação, que ainda poderá levar meses a concluir, fez depois as ações caírem. Contudo, esta terça-feira, as ações da empresa viram um aumento de 4,9%.

Ler mais

Premium

nuno camarneiro

Calma que isto é Portugal

Deve ter sido lá pelas duas, duas e meia, eu dava voltas a um texto que não se deixava domesticar e as pálpebras queixavam-se do cansaço, do fumo das cigarrilhas e de algumas metáforas rebuscadas. Quando me preparava para a última revisão ouvi alguém que descia a rua e pareceu estacar junto à janela do escritório. Um breve silêncio e logo o som inconfundível de um líquido que jorra por ação humana e o suspiro de alívio que o costuma acompanhar.

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.