Nos Estados Unidos, a Tesla já bate recordes à rival Mercedes-Benz

A empresa norte-americana está também perto de ultrapassar a BMW.

Os números já são conhecidos e ditam uma estreia para a Tesla: ultrapassou a Mercedes-Benz em número de unidades vendidas nos Estados Unidos. De acordo com a Business Insider Australia, enquanto a Mercedes-Benz, conhecida como a maior fabricante de carros de luxo no mundo, vendeu 66.542 veículos no terceiro trimestre deste ano do mercado norte-americano, a Tesla conseguiu vender 69.925.

O relatório foi divulgado pela Atherton Research, que adiantou ainda que a empresa de automóveis elétricos está a uma distância de apenas de 1754 automóveis de ultrapassar também a BMW, resultados que a Atherton acredita que acontecerão no último trimestre de 2018.

A empresa de Elon Musk informou, ainda no início deste mês, que foram vendidos "mais de 80% dos automóveis vendidos em 2017" só no trimestre de setembro, que o CEO da empresa prometeu ser "o trimestre mais incrível" da história da Tesla. No total, 83.500 veículos.

A produtora de carros elétricos norte-americana está desde setembro sob investigação do Departamento de Justiça dos EUA, por fraude, depois de Elon Musk ter feito uma publicação no Twitter onde dizia ter "um fundo garantido". Admitiu sair da bolsa e fez, assim, as ações da empresa dispararem.

Mas a bonança não ficaria por muito tempo. A investigação, que ainda poderá levar meses a concluir, fez depois as ações caírem. Contudo, esta terça-feira, as ações da empresa viram um aumento de 4,9%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.