"Mini Davos" abre porta a milhões em investimento

Conferência Horasis junta centenas de empresários em Cascais pelo segundo ano consecutivo. Investidores de todo o mundo admitem trazer negócios para Portugal

Antes de completar 30 anos, Paul Malicki já tinha dado a volta ao mundo. Nasceu na Polónia, estudou na Ásia, viveu na Suécia e assentou há quatro anos no Rio de Janeiro. "Mas é em Portugal que quero passar a reforma", conta o empreendedor que a revista Forbes considerou em 2017 como um dos jovens mais promissores do mundo. Paul é cofundador da Flapper, uma espécie de Uber da aviação privada. Por enquanto só sobrevoa os céus brasileiros, mas a Europa vai entrar na rota daqui a dois anos. Portugal faz parte dos planos.

"O que fazemos no Brasil é organizar voos privados partilhados, através de parcerias com táxis aéreos. Basta reservar um lugar na nossa aplicação. Temos mais de cem aeronaves para voos de curta duração", explica o fundador ao DN/Dinheiro Vivo. O público alvo da Flapper é a classe média/alta. "Queremos provar que a aviação privada não é só para milionários. Os voos custam cerca de 150 euros, e temos viagens a 60 euros". A plataforma nasceu em 2016 e já conta com 70 mil utilizadores. Estrelas das telenovelas da Globo ou o ex-futebolista Ronaldo estão entre os clientes fiéis. Na quarta visita que faz a Portugal, Paul Malicki não tem dúvidas de que o país é para acrescentar à frota da Flapper. "Queremos aproveitar pequenos aeroportos que não recebem aviões comerciais, como o de Tires, para operar voos charter", adianta.

Enquanto não fecha negócio, o empreendedor polaco troca cartões no Centro de Congressos do Estoril. Paul Malicki é um dos mais de 600 convidados da Horasis Global Meeting, um encontro que, pelo segundo ano, junta empresários, políticos e académicos de todo o mundo em Cascais.

Vêm todos a convite de Frank-Jürgen Richter, um alemão casado com uma portuguesa que antes de criar a Horasis, em 2005, fazia parte da organização do Forum Económico Mundial. Frank já não estranha as constantes comparações de Cascais com Davos, mas faz questão de sublinhar que não é só o clima que separa as duas localidades. "Não queremos comparar-nos a Davos, que existe há muitas décadas e está estabelecido. Somos o "miúdo novo do bairro", somos o futuro. Não vêm para aqui primeiros-ministros ler discursos. Toda a gente está no mesmo barco, não há hierarquias. E criámos um laço muito forte com Cascais. Horasis é Cascais. Vamos ficar aqui por muitos anos", diz o alemão ao DN/DV.

Frank-Jürgen Richter não hesita em classificar Portugal como a "nova Silicon Valley da Europa". Por conhecer pessoalmente todos os participantes da conferência, sabe que há alguns que acabam por ficar. "Vimos isso no ano passado. Há empresários que vêm ao encontro e acabam por investir em Portugal, ou trazem para cá uma parte das suas empresas. Alguns acabam até por comprar casa."

O potencial de investimento do evento não passa despercebido ao governo, que faz questão de marcar presença. "É muito importante que estes participantes fiquem a conhecer Portugal. Há aqui um conjunto de líderes de opinião que têm influência em vários níveis. Este contacto poderá ser promissor, nomeadamente na área das novas tecnologias ligadas à indústria 4.0. Falei aqui com um especialista americano em blockchain que se mostrou interessado em trazer empresas para Portugal. Está aqui há algumas horas e já está maravilhado", nota a secretária de Estado da Indústria, Ana Lehmman.

O americano é Mark Mueller--Eberstein. O CEO da consultora Adgetec Corporation veio de Seattle para falar de blockchain, a tecnologia que está por trás das moedas virtuais. Na bagagem de regresso, confirma as boas referências: "Além de consultor também sou investidor. Tenho várias empresas no meu portfólio e estamos a estudar mercados onde possamos criar raízes e crescer internacionalmente a partir daí. É necessário ter a jurisdição adequada, uma regulação clara e mão- -de-obra qualificada. Estou muito impressionado, até agora tínhamos estudado destinos como Malta ou Gibraltar, mas agora vemos aqui fortes possibilidades. E confesso que me espantou muito ouvir a secretária de Estado a convidar abertamente as empresas de blockchain a estabelecerem-se em Portugal", salienta.

A conferência, que arrancou no sábado, estende-se até amanhã. Por Cascais passaram nomes como o ex-presidente do Egipto e Prémio Nobel da Paz Mohamed ElBaradei ou o chairman da Goldman Sachs, Durão Barroso (ver caixa). Para o ano, Cascais volta a receber a cimeira que quer ser a Davos 4.0.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.