Marine Le Pen volta à lista de oradores da Web Summit

A líder do partido de extrema-direita francesa Reunião Nacional (antiga Frente Nacional) voltou a constar da lista oficial de oradores da Web Summit, depois de ter sido retirada

Contactada pelo DN, a organização da Web Summit não deu qualquer resposta sobre o regresso do nome de Marine Le Pen, a líder da extrema-direita francesa, à lista dos oradores da conferência que vai decorrer entre 5 e 8 de novembro em Lisboa, disponível em websummit.com.

Dias depois de o DN ter noticiado a presença de Le Pen no encontro, o nome da líder da Reunificação Nacional (antiga Frente Nacional) desaparecera da lista de oradores convidados.

Já este sábado, alertado para o facto de o nome já não constar na lista dos oradores do evento, o Dinheiro Vivo confirmou que Marine Le Pen não estaria em Lisboa, não tendo sido explicados os motivos.

A vinda daquela dirigente política francesa a Lisboa causou muita polémica. Uma das vozes que se levantou contra a sua presença na Web Summit foi a do deputado socialista João Galamba. No sábado, publicou no seu Twitter afirmou: "Não se juntam, não [à lista de oradores], que a gente não aceita. Normalização de fascistas já ultrapassa em muito o aceitável."

Também o dirigente do Bloco de Esquerda José Manuel Pureza comentou o caso no Twitter, antecipando problemas para o primeiro-ministro António Costa, caso Le Pen viesse ao evento. "Tenho cá um palpite de que António Costa vau pregar de forma violenta uma moralzinha sobre a presença da Le Pen no websummit. Depois irá à sessão de abertura do dito. Pecadilhos...", escreveu

O DN não conseguiu nenhuma reação oficial do executivo português, que apoia a iniciativa, sobre esta polémica. Fontes governamentais afirmam, no entanto, que "o que o governo quer é que o evento se realize em Portugal com sucesso". Mas, sublinham, "tratando-se de uma iniciativa de natureza privada, a organização da Web Summit tem 100% da autonomia para convidar e desconvidar quem quiser".

Marine Le Pen, de 49 anos, foi reeleita em março para a liderança da Reunificação Nacional com o objetivo claro de chegar ao poder e um discurso centrado na anti-imigração, embora procurando afastar-se das posições mais racistas e anti-semitas do seu pai, Jean-Marie Le Pen. Em maio de 2017, Marine Le Pen conseguiu passar à segunda volta das presidenciais francesas, tendo acabado por ser derrotada pelo centrista Emmanuel Macron.

Ler mais