Lisboa é das cidades em que preços de casas menos subiram

FMI avisa que metade das transações estão a ser feitas com recurso a crédito bancário. É preciso monitorizar o risco

Lisboa é, num grupo de 42 capitais mundiais, das que registaram aumentos mais suaves nos preços da habitação entre 2013 e 2017, em termos reais (descontando a inflação), mostra um estudo do FMI ontem divulgado. E avisa que é preciso estar atento ao desenrolar da situação. Pode haver riscos de paragem súbita, o que traria problemas à economia.

Desde que acabou a grande crise financeira, a variação dos preços das casas foi muito diversa nas cidades analisadas. Xangai (China) teve o maior aumento, uns impressionantes 14% em apenas quatro anos, logo seguida de Auckland (Nova Zelândia), Sydney (Austrália) e Budapeste (Hungria), onde os preços dispararam mais de 10% no período em análise. Na cauda deste ranking aparecem Moscovo (Rússia) e Roma (Itália), com desvalorizações reais de quase 5%.

Em Lisboa, revela o FMI, o fenómeno de valorização existe (em 2017 foi particularmente pronunciado), mas nos últimos quatro anos até foi dos mais moderados, mais até do que em Madrid, com os preços das casas a avançarem pouco mais de 1%. É que durante a crise o imobiliário sofreu fortes desvalorizações, no contexto de forte supressão no acesso ao crédito e de subida do desemprego. Em 42 capitais, a variação dos preços em Lisboa é apenas a 29.ª maior.

"O aumento dos preços das casas foi uma componente da recuperação económica em muitos países desde a crise financeira global", que experimentaram subidas "rápidas", reconhece o FMI. No entanto, "este impulso generalizado ao crescimento económico pode suportar uma procura adicional por casas em muitos países, levando a pressões adicionais no sentido da subida de preços".

O FMI revela ainda que "os aumentos recentes dos preços habitacionais têm ocorrido num ambiente de condições financeiras fáceis nas principais economias avançadas, caracterizados por taxas de juro baixas, spreads esmagados e baixa volatilidade", situação que "eleva o espetro da instabilidade financeira caso as condições se invertam e, simultaneamente, levem a um declínio nos preços da habitação".

"A elevada sincronização dos preços da habitação [em vários países e na maioria das 42 cidades analisadas] é um risco para a atividade económica real" quando e se, por exemplo, bancos centrais, como o BCE, deixarem de fornecer dinheiro ultrabarato.

No caso de Portugal, a missão do FMI fez avisos concretos nesse sentido. Disse que o turismo explica boa parte da explosão imobiliária, mas há evidências de que, embora os preços estejam a subir por causa das compras feitas por estrangeiros, quase metade das novas transações estão a ser feitas com recurso a crédito bancário. Ainda ontem o Banco de Portugal indicou que os novos créditos aumentaram 26% (ver texto ao lado).

"É necessário monitorizar de perto os crescentes riscos do mercado imobiliário. Embora o crescimento recente dos preços da habitação não tenha sido impulsionado pelo ciclo do crédito, as autoridades macroprudenciais [Banco de Portugal] devem permanecer vigilantes e estar prontas para tomar medidas adicionais, se necessário, para evitar a acumulação de desequilíbrios e fortalecer a resiliência da banca."

O governo respondeu que não tem "indicações claras de que haja sobreavaliação no mercado imobiliário nesta fase, mas reconheceu que os desenvolvimentos recentes merecem monitorização mais aprofundada".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".