Islândia tem lei pioneira em vigor desde o início do ano

União Europeia fez uma recomendação para a transparência nesta matéria em 2014, mas o caminho ainda vai ser longo

É uma caminhada desigual. Enquanto em muitos países se debate a necessidade de transparência para conhecer a disparidade salarial entre homens e mulheres, e na União Europeia a recomendação da Comissão, de 2014, que vai justamente nesse sentido, não se tornou ainda letra de lei nos 28, há um país que vai à frente isolado: a Islândia.

Desde o início do ano que vigora naquele país uma lei pioneira que obriga as empresas a pagar salários iguais a homens e mulheres no desempenho das mesmas funções. De acordo com a lei, que foi aprovada em junho do ano passado, todas as empresas com mais de 25 funcionários terão de provar até final do ano que não praticam diferenças salariais de género. Neste que é o país do mundo onde as diferenças de oportunidades (de trabalho, saúde ou, educação) são as menores entre homens e mulheres, a disparidade de salários ainda chega aos 5,7% - em desfavor das mulheres.

Com uma população de 320 mil pessoas, liderado pela primeira-ministra Katrín Jakobsdóttir e com um Parlamento com quase metade de deputadas, as empresas terão de fazer esta caminhada, sob pena de multas, com a igualdade de salários atestada por um auditor externo credenciado. As empresas mais pequenas têm até ao final de 2020 para atingir a meta. Talvez sem grande surpresa, a lei não foi bem recebida pelas associações empresariais islandesas, e quando é assim no país mais avançado do mundo nesta matéria, é fácil imaginar as dificuldades noutros países.

Na Alemanha, onde a disparidade salarial entre homens e mulheres é mais de 20% - o valor é idêntico na Áustria ou na Hungria, com a Estónia a chegar aos 30% e a Eslovénia a ter a melhor performance da UE, com 10% - uma nova lei também já obriga as empresas a informar as suas empregadas do salário dos seus colegas homens em tarefa idêntica. No Reino Unido, as empresas com mais de 250 trabalhadores têm, também pela primeira vez neste ano, de tornar públicas as desigualdades salariais. E em Espanha trava-se a luta por uma lei que obrigue a esta mesma transparência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.