Funcionários públicos ganham mais 500 euros do que os do privado

Maiores qualificações, profissões únicas e antiguidade média mais elevada são as principais causas para diferença na remuneração média entre uns e outros. No setor privado, os salários sobem mais rapidamente

Os funcionários da administração pública ganharam, em média, 1686 euros em julho. É uma subida de 1,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior, resultante do efeito da reversão total dos cortes salariais e do aumento do subsídio de refeição. E são mais 500 euros do que a remuneração média do setor privado, que atingiu, no final do ano passado, perto dos 1150 euros mensais. A diferença explica-se essencialmente pelo facto de as qualificações e a antiguidade serem mais elevadas no Estado.

A função pública registava no final de setembro deste ano um total de 661 429 postos de trabalho, segundo indica a Síntese Estatística do Emprego Público (SIEP) ontem divulgada. Deste total, cerca de 52% têm um nível de escolaridade de ensino superior. Este valor sobe para os 100% nas carreiras da magistratura, entre os médicos, diplomas, pessoal de investigação científica, conservadores, notários, docentes e educadores de infância e técnicos superiores de saúde.

Para João Cerejeira, professor na Universidade do Minho e investigador na área laboral, este elevado nível de qualificações, somado ao facto de apenas o Estado ter determinado tipo de carreiras (como a dos magistrados ou diplomatas), explicam a diferença salarial entre público e privado. Mas não só. O facto de no setor público não haver tanta diferenciação salarial em função do género também contribui para esta situação. Outro contributo vem da função pública tender a ter uma média etária mais elevada.

Mas médias são médias e uma análise mais detalhada permite perceber que, por regra, para o mesmo tipo de qualificações, o setor privado paga melhor do que o Estado. João Cerejeira dá o exemplo dos informáticos, cujo ganho médio mensal (incluindo suplementos e subsídios a que haja lugar) está balizado nos 1900 euros brutos no Estado, sendo este um valor manifestamente inferior ao que se pratica no privado. E o mesmo se passa com os dirigentes superiores, cujo ganho mensal médio de 4900 euros está bastante abaixo da média salarial dos gestores de empresas privadas. Além disso, os dados também mostram que no privado é mais fácil dar saltos remuneratórios.

Em Espanha, os funcionários públicos têm um salário mensal que supera em cerca de mil euros a média do setor privado. Neste caso os valores são de, respetivamente, 2623 e 1694 euros.

Emprego público aumenta

Os 661 429 postos de trabalho registados na função pública no final do terceiro trimestre deste ano traduzem uma subida homóloga de 0,8% (mais 5259 trabalhadores). Esta é já a nona subida trimestral homóloga consecutiva, explicada pelo facto de ter havido necessidade de aliviar o aperto nas admissões - que durante o período de ajustamento superou largamente as metas definidas - e por ter diminuído de forma significativa no Estado o número de saídas para a aposentação.

Na evolução trimestral, o número de trabalhadores da administração pública diminuiu 6909, o que se deve em grande parte ao fim dos contratos dos professores, associado ao fim do ano letivo.

Exclusivos