Fernando Pinto deixa presidência da TAP a 31 de janeiro e já tem substituto

Antonoaldo Neves, antigo presidente da Azul, vai substituir Fernando Pinto no cargo que este ocupou nos últimos 17 anos

Fernando Pinto, o presidente executivo da TAP nos últimos 17 anos, vai deixar a empresa a 31 de janeiro. A notícia foi confirmada pelo DN, depois de avançada pelo semanário Expresso. Também já está escolhido o próximo presidente executivo da companhia aérea: será Antonoaldo Neves, antigo presidente executivo da brasileira Azul.

Segundo o Expresso, os membros do novo conselho de administração da TAP serão propostos pela Parpública e pelos privados da Atlantic Gateway até ao dia 16 de janeiro e a eleição decorre na assembleia geral a 31 de janeiro. O semanário escreve também que o Estado estará de acordo com as propostas da Atlantic Gateway e que David Pedrosa, filho do acionista Humberto Pedrosa, manterá um lugar na administração da empresa; os chineses do grupo HNA, que é acionista da TAP através do consórcio Atlantic Gateway e da Azul, vão ainda nomear um administrador executivo.

Antonoaldo Neves, 42 anos, está ligado à aviação há vários anos e era atualmente Chief Commercial Officer da TAP. Tem dupla nacionalidade, brasileira e portuguesa.

Antes de integrar a Administração da TAP, foi presidente executivo da Azul Linhas Aéreas, companhia que ajudou a consolidar e onde liderou o processo de fusão com a Trip, em 2012, em conjunto com David Neeleman. Foi também responsável pela expansão internacional da Azul, com foco nos Estados Unidos da América, tendo tido ainda um papel preponderante no processo de investimento da HNA, tanto na Azul como na TAP.

Durante vários anos, Antonoaldo Neves integrou a equipa da McKinsey, empresa de que viria a tornar-se sócio global, e onde desenvolveu diversos projetos de aviação e de infraestruturas no setor privado na América Latina. Durante esse período, o Governo Brasileiro, através do Secretariado da Aviação Civil do Brasil, nomeou-o membro do Conselho de Administração da Infraero, a empresa brasileira de aeroportos, ficando responsável pelo planeamento do setor aéreo brasileiro entre 2011 e 2012.

Foi também diretor executivo da construtora brasileira Cyrela, entre 2010 e 2012, e começou a carreira na Odebrecht, como Engenheiro de Montagem de Obras Eletromecânicas. É licenciado em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paul e tem um MBA da Darden School of Business da Universidade de Virgínia (EUA) e um Mestrado em Finanças Corporativas da PUC do Rio de Janeiro.

Fernando Pinto comunicou na manhã desta quinta-feira aos funcionários da TAP - num e-mail a que o DN teve acesso - que deixa de ser o CEO da companhia. "A TAP é hoje três vezes maior do que quando eu aqui cheguei e cresceu muito também neste dois anos de privatização. É hoje também uma das maiores empregadoras do país. Saio com a certeza de que a empresa está numa rota de crescimento. O nosso caminho é crescer. E irei acompanhar esse crescimento de perto, uma vez que continuarei ligado à companhia nos próximos dois anos enquanto assessor da TAP. Não é assim, nem jamais será, um adeus. É altura de fazer um balanço e ele é muito positivo", escreveu Fernando Pinto no e-mail.

"Há 17 anos, quando cheguei à TAP, tinha como missão privatizar a empresa. Foi, como todos sabemos, um processo difícil, feito de muitos obstáculos e dificuldades. A TAP era já então uma grande empresa, feita de excelentes profissionais, com uma história consistente, digna de uma Companhia que representa um País. No entanto, enfrentava constrangimentos de ordem financeira que impunham a privatização. E enquanto esse objetivo não se concretizava, a empresa tinha de sobreviver. Esse foi um dos maiores desafios da minha equipa de gestão. Foram 15 anos de sobrevivência".

Sobre o sucessor Antonoaldo Neves, o engenheiro escreve ainda: "Não podia estar mais contente e entusiasmado com esta escolha para assumir os destinos da TAP. É a pessoa certa, e pela qual tenho grande admiração. Aliás, fui eu mesmo quem o convidou para nos ajudar no programa de crescimento que lançámos há dois anos, o que lhe permitiu conhecer detalhadamente a companhia. Estou absolutamente seguro de que com a liderança de Antonoaldo, a TAP continuará neste incrível processo de crescimento. Assim, o meu sentimento hoje é de absoluta realização profissional e pessoal. De missão cumprida. A empresa está no bom caminho e sinto-me plenamente realizado. Cabe agora aos acionistas iniciarem um novo ciclo com a eleição do meu sucessor para o lugar de presidente executivo da TAP, o que deverá acontecer já na próxima Assembleia Geral, a realizar no próximo dia 31 de Janeiro".

Em dezembro, Fernando Pinto garantia que ainda nada estava decidido sobre a sua continuidade no cargo de presidente executivo da TAP. Num encontro com jornalistas, sublinhou que a decisão seria dos acionistas e que o que viesse a ser definido nessa matéria seria sempre "o melhor para a TAP" e "de comum acordo".

"Eu tenho uma grande vantagem: são 17 anos na TAP, o que é muito bom, mas eu cheguei aqui com uma missão que era privatizar a companhia e isso foi feito há dois anos. Pediram-me para continuar para haver uma estabilização durante o processo de transição da privatização, que é hoje um grande sucesso", afirmou então Fernando Pinto.

Em 25 de novembro, em Macau, o administrador não executivo da TAP Diogo Lacerda Machado disse que o acionista Estado "gosta muito" do presidente executivo da transportadora aérea, Fernando Pinto, mas que, reconhecendo-lhe todo o mérito, este responsável sairá da empresa "quando entender".

"O engenheiro Fernando Pinto é uma pessoa que merece toda a nossa admiração e reconhecimento, e a nossa homenagem. Sou um admirador incondicional. O que ele e a equipa dele fizeram pela TAP nestes 17 anos é absolutamente extraordinário: Sem capital, sem fundos próprios e com uma enorme dificuldade, com o lastro de um passivo que vem desde 1998, e conseguir privatizar a companhia", disse então Lacerda Machado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?

Premium

Jan Zielonka

A política na era do caos

As cimeiras do G20 foram criadas para compensar os fracassos das Nações Unidas. Depois da cimeira da semana passada na Argentina, sabemos que o G20 dificilmente produzirá milagres. De facto, as pessoas sentadas à mesa de Buenos Aires são em grande parte responsáveis pelo colapso da ordem internacional. Roger Boyes, do Times de Londres, comparou a cimeira aos filmes de Francis Ford Coppola sobre o clã Corleone: "De um lado da mesa em Buenos Aires, um líder que diz que não cometeu assassínio, do outro, um líder que diz que sim. Há um presidente que acabou de ordenar o ataque a navios de um vizinho, o que equivale a um ato de guerra. Espalhados pela sala, uma dúzia de outros estadistas em conflito sobre fronteiras, dinheiro e influência. E a olhar um para o outro, os dois arquirrivais pretendentes ao lugar de capo dei capi, os presidentes dos Estados Unidos e da China. Apesar das aparências, a maioria dos participantes da cimeira do G20 do fim de semana não enterrou Don Corleone, mas enterrou a ordem liberal."

Premium

nuno camarneiro

Amor em tempo de cólera

Foi no domingo à tarde na Rua Heliodoro Salgado, que vai do Forno de Tijolo à Penha de França. Um BMW cinzento descia o empedrado a uma velocidade que contrariava a calidez da tarde e os princípios da condução defensiva. De repente, o focinhito de um Smart vermelho atravessa-se no caminho. Travagem brusca, os veículos quedam-se a poucos centímetros. Uma buzinadela e outra de resposta, o rapaz do BMW grita e agita a mão direita à frente dos olhos com os dedos bem abertos, "és ceguinha? És ceguinha?" A senhora do Smart bate repetidamente com o indicador na testa, "tem juízo, pá, tem juízo". Mais palavras, alguma mímica e, de repente, os dois calam-se, sorriem e começam a rir com vontade. Levantam as mãos em sinal de paz, desejam bom Natal e vão às suas vidas.

Premium

Joel Neto

O jogo dos homens devastados

E agora aqui estou, com a memória dos momentos em que falhei, das pancadas em que tirei os olhos da bola ou abri o cotovelo direito no downswing ou, receoso de me ter posicionado demasiado longe do contacto, me cheguei demasiado perto. Tenho a impressão de que, se fizer um esforço, sou capaz de recapitular todos os shots do dia - cada um dos noventa e quatro, incluindo os cinco ou seis que me custaram outros doze ou treze e me atiraram para longe do desempenho dos bons tempos. Mas, sobretudo, sinto o cheiro a erva fresca, leite morno e bosta de vaca dos terrenos de pasto em volta. E viajo pelos outros lugares onde pisei o verde. Em Tróia e na Praia Del Rey. Nos campos suaves do Algarve e nas nortadas de Espinho e da Póvoa de Varzim. Nos paraísos artificiais de Marrocos, em meio da tensão competitiva do País de Gales e na Herdade da Aroeira, com os irmãos Barreira e o Maurício, e o Vítor, e o Sérgio, e o Abad, e o Rui, e todos os outros.

Premium

Opinião

NAVEGAR É PRECISO. Quinhentinhos

Os computadores, sobretudo os pessoais e caseiros, também nos trouxeram isto: a acessibilidade da "memória", através do armazenamento, cronológico e quantificado. O que me permite - sem esforço - concluir, e partilhar, que este é o meu texto número 500 no Diário de Notícias. Tendo trabalhado a tempo inteiro e colaborado em muitas outras publicações, "mais do que prometia a força humana", nunca tive, em quatro décadas de peças assinadas, uma oportunidade semelhante de festejar algo de semelhante, fosse pela premência do tempo útil sobre o "ato contemplativo" ou pela velocidade inusitada com que ia perdendo os trabalhinhos, nem por isso merecedores de prolongamento do tempo de "vida útil". Permitam-me, pelo ineditismo da situação, esta rápida viagem que, noutro quadro e noutras plataformas, receberia a designação (problemática, reconheça-se) de egosurfing.