Estão publicadas as novas tabelas de retenção de IRS. Consulte aqui

Tabelas de retenção foram publicadas na noite de terça-feira em Diário da República

Foram publicadas na noite de terça-feira, em Diário da República, as novas tabelas de retenção na fonte de IRS. Com a publicação das tabelas, os salários e pensões de janeiro deverão já ser calculados de acordo com estes valores, previstos no Orçamento de Estado para 2018.

Para consultar as tabelas de retenção na fonte de IRS, clique aqui. Para saber se vai ficar a ganhar mais, pode compará-las com as do ano passado, que estão disponíveis aqui.

O Orçamento de Estado para 2018 introduziu várias mudanças ao nível dos impostos, nomeadamente através do alargamento do número de escalões, que passaram de cinco para sete, o que significa que todos os contribuintes com um rendimento mensal abaixo dos 3250 euros vão pagar menos de imposto.

Também o chamado mínimo de existência - o valor a partir do qual os rendimentos são tributados - sofreu um aumento, e a sobretaxa do IRS foi abolida para todos os contribuintes.

Em 2018, um contribuinte com rendimentos de trabalho dependente só passa a ser tributado a partir do momento em que aufere um salário bruto igual ou superior a 632 euros. Em 2017, porém, os rendimentos eram tributados a partir dos 620 euros.

Em 2018, muda também o IRS automático, que em 2017 abrangia os contribuintes com rendimentos do trabalho dependente e de pensões sem filhos. Este ano, a declaração automática vai passar a incluir agregados com dependentes, bem como contribuintes que usufruam de benefícios fiscais relativos a donativos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.