Estão publicadas as novas tabelas de retenção de IRS. Consulte aqui

Tabelas de retenção foram publicadas na noite de terça-feira em Diário da República

Foram publicadas na noite de terça-feira, em Diário da República, as novas tabelas de retenção na fonte de IRS. Com a publicação das tabelas, os salários e pensões de janeiro deverão já ser calculados de acordo com estes valores, previstos no Orçamento de Estado para 2018.

Para consultar as tabelas de retenção na fonte de IRS, clique aqui. Para saber se vai ficar a ganhar mais, pode compará-las com as do ano passado, que estão disponíveis aqui.

O Orçamento de Estado para 2018 introduziu várias mudanças ao nível dos impostos, nomeadamente através do alargamento do número de escalões, que passaram de cinco para sete, o que significa que todos os contribuintes com um rendimento mensal abaixo dos 3250 euros vão pagar menos de imposto.

Também o chamado mínimo de existência - o valor a partir do qual os rendimentos são tributados - sofreu um aumento, e a sobretaxa do IRS foi abolida para todos os contribuintes.

Em 2018, um contribuinte com rendimentos de trabalho dependente só passa a ser tributado a partir do momento em que aufere um salário bruto igual ou superior a 632 euros. Em 2017, porém, os rendimentos eram tributados a partir dos 620 euros.

Em 2018, muda também o IRS automático, que em 2017 abrangia os contribuintes com rendimentos do trabalho dependente e de pensões sem filhos. Este ano, a declaração automática vai passar a incluir agregados com dependentes, bem como contribuintes que usufruam de benefícios fiscais relativos a donativos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.