Dono da Altice compra leiloeira Sotheby's por 3,3 mil milhões

O fundador da Altice, Patrick Drahi, vai pagar 57 dólares por cada ação da leiloeira, o que representa um prémio de 61% face ao último valor de fecho.

O multimilionário Patrick Drahi, fundador do grupo Altice, chegou a um acordo para adquirir a leiloeira Sotheby"s. O franco-israelita, que é um conhecido colecionador de arte, vai pagar 3,7 mil milhões de dólares, o equivalente a 3,3 mil milhões de euros, pela casa de leilões britânica.

Drahi, através da holding BidFair, oferece 57 dólares por ação, um preço 61% acima do último valor de fecho das ações da leiloeira, que na passada sexta-feira encerrou a valer pouco mais de 35 dólares por ação.

Além de todas as ações, o negócio inclui a compra da dívida da Sotheby"s, que sai assim de bolsa 31 anos depois da oferta pública inicial. Numa nota emitida esta segunda-feira, Patrick Drahi afirma estar "muito entusiasmado por construir o futuro da Sotheby"s com a atual gestão e as suas equipas".

"A Sotheby"s é uma das marcas mais elegantes e inspiradoras do mundo. Como cliente e admirador de longa data da empresa, estou a adquirir a Sotheby"s em conjunto com a minha família", lê-se no documento.

O dono da Altice, que em Portugal detém a MEO, sublinha ainda que a leiloeira é "uma empresa fascinante e multissecular, com uma história celebrada por unir pessoas de todo o mundo através da cultura e da arte". Patrick Drahi tem, segundo a Bloomberg, uma fortuna avaliada em 8,6 mil milhões de dólares, cerca de 7,6 mil milhões de euros.

Também em comunicado, o CEO da Sotheby"s, Tad Smith, deu a Drahi as "boas-vindas à família", sublinhando que o francês é "um dos mais bem vistos empreendedores do mundo". "Esta aquisição vai dar à Sotheby"s a oportunidade de acelerar o seu bem-sucedido programa de crescimento num ambiente mais flexível", diz o responsável.

A Sotheby"s foi fundada em 1774 e é uma das maiores casas de leilões do mundo, a par da rival Chistie"s, que também pertence a um multimilionário francês, François Pinault.

Ana Sanlez é jornalista do Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.