Dados da OCDE confirmam abrandamento da economia

A economia portuguesa está a crescer a um ritmo mais lento e as perspetivas até ao final do ano não são otimistas. O Banco de Portugal divulga amanhã novos indicadores

A economia portuguesa continua a dar sinais de abrandamento e as perspetivas até ao final do ano são pouco animadoras. A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) divulgou ontem que o indicador compósito avançado (mede alterações no ciclo económico) de Portugal situou-se, em abril, nos 99.76, ou seja 0,06% abaixo do nível 100, o que traduz uma desaceleração da economia. O país está abaixo desse limiar desde janeiro. Na zona euro, os indicadores situaram-se em abril em 100.1, uma décima a menos do que no mês anterior, o que também não confere tranquilidade à economia portuguesa.

"Temos estado a registar um arrefecimento da economia e afastarmo-nos da média do crescimento da União Europeia, o que é preocupante e perigoso", considera o economista João Duque. O responsável sublinha o pior desempenho das exportações nos primeiros três meses do ano e recorda que, em abril, a procura turística no Algarve também caiu. A economia portuguesa está associada à procura externa, "não temos mercado interno para a sustentar", logo qualquer travão do exterior é fator de preocupação, diz.

Para uma evolução favorável do produto interno bruto (PIB) português, Angola pode ser decisiva, caso o preço do petróleo mantenha a tendência de subida e as relações políticas entre os países fiquem estáveis. Este cenário "beneficiaria as exportações portuguesas", embora o aumento do preço do petróleo implique negativamente no consumo dos portugueses.

João Duque recorda que o país viveu um momento altamente favorável, com taxas de juro e preços do petróleo baixos e o turismo e as exportações a crescer. "Agora, está-se a inverter tudo ao mesmo tempo": o petróleo está a subir, as taxas de juro deverão encarecer e há sinais de abrandamento da procura externa, quer ao nível dos bens quer dos serviços.

Também o Banco de Portugal (BdP) já tinha assinalado esta travagem no crescimento da economia. O indicador coincidente mensal do BdP para abril "manteve a trajetória descendente iniciada em setembro de 2017", ou seja, recuou para 1,8%. Isto significa que o crescimento foi o mais baixo desde outubro de 2016. Estes sinais menos favoráveis no quadrimestre suscitam dúvidas quanto ao crescimento que irá registar-se no final do ano.

Os números do Instituto Nacional de Estatística também não fogem ao cenário. O PIB registou, no primeiro trimestre, um crescimento em termos homólogos de 2,1%, penalizado pela queda das exportações e que compara com os 2,4% registados nos últimos três meses do ano passado. Amanhã, é divulgado o indicador para a atividade económica de maio.

Alemanha retraída

O conjunto dos países da OCDE situou-se nos 99,9 pontos, uma décima a menos do que o nível 100, que foi registada em março. Alemanha, Canadá, Estados Unidos da América, França, Itália, Japão e Reino Unido, as sete maiores economias, tiveram um crescimento de 100 pontos, uma décima menos do que no mês anterior.

A OCDE observou um crescimento estável nos Estados Unidos (100,2) e no Japão (99,9), baixas no Canadá (99,9), na Alemanha (100,3), na França (99,8), na Itália (100,2) e no Reino Unido (99). O organismo internacional registou uma consolidação do crescimento na Índia (101,2), estabilidade na Rússia (101) e no Brasil (103,8) e sinais de variação positiva na China (99,1).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Germano Almeida

Sequelas do Prémio Camões

Aos domingos, lá pelo meio da manhã, gosto de parar na porta da Nim para dois dedos de conversa, que termina sempre na discussão das qualidades das papaias que ela me convence a comprar. A Nim tem um posto de venda no mercado da Praça Estrela onde, durante a semana, comerceia as verduras que o marido vai buscar em Santiago e no Fogo. Como aos domingos o espaço fica fechado, ela alinha os balaios com a sua mercadoria no passeio em frente da casa, e vestida de um longo avental e um rasgado sorriso, senta-se num banquinho e espera pachorrenta pelos eventuais fregueses. Mas tu nunca descansas, pergunto-lhe. Para quê, responde encolhendo os ombros, este trabalho não cansa, estou aqui sentada, vejo passar pessoas, trocamos mantenhas e novidades, e sempre vou vendendo alguma coisa, tenho três filhos no chão para criar e o planeta não está de brincadeira. Num dia de semana entrei no mercado e não a encontrei. Que é feita da Nim, perguntei a uma vendedeira vizinha. A Nim foi ao cabeleireiro, respondeu. O quê, exclamei espantado, que lhe deu para ir ao cabeleireiro, ainda por cima num dia como hoje? Ela tem um casamento amanhã, hoje podes comprar em mim. É que a Nim tomou-me como sua propriedade: Ele é meu homem, grita para as colegas, ele só compra em mim. E para garantir isso, quando não tem papaia, ela mesma sai a procurar junto das outras para mim.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O legado de Joana Marques Vidal

Os últimos meses foram marcados pelo tema da (não) recondução da procuradora-geral da República, desde que a ministra da Justiça avançou há nove meses com a ideia de que a interpretação que fazia do texto constitucional é que se tratava de um longo e único mandato. Além da lamentável extemporaneidade destas declarações, a tantos meses do término do mandato ficou muito claro desde início que a questão subjacente à recondução de Joana Marques Vidal era de natureza política e não de carácter jurídico.

Premium

António Araújo

Ex-votos

No Estio de 1736, em dia que se ignora, saiu em sua mulinha o beneficiado Manuel Antunes, natural de Barbacena. No caminho das Portas da Esquina para a Horta dos Passarinhos havia uma ladeira pedregosa e íngreme, onde se lhe espantou a mula, por razões desconhecidas. Uma e outra vez caiu ao chão o clérigo, ficando muito ferido, e em muita aflição. Naquele aperto, suplicou aos céus, salvou-se. Em cumprimento da promessa feita, mandou reparar a tosca cruz que por lá havia, campos da Torre das Arcas. O lugar rapidamente ganhou fama de milagreiro. Fez-se então a romaria que ainda hoje perdura. E ergueu-se a ermida que tem o nome de Igreja do Senhor Jesus da Piedade de Elvas.