Mais de mil euros. É quanto custa a um jovem viver em Lisboa

Lisboa é a a 57.ª metrópole mais cara de uma lista que analisa 80 cidades potencialmente interessantes para jovens de todo o mundo, estudantes, expatriados e millennials

São necessários 1032 euros para que um estrangeiro se instale em Lisboa. A Nestpick, plataforma de aluguer de apartamentos mobilados, fez as contas ao custo de renda, alimentação, transporte, comunicações e obtenção de visto e concluiu que Lisboa é a 57.ª metrópole mais cara de uma lista de 80 cidades do mundo. O ranking teve por base os destinos mais populares em termos de oportunidades de emprego, onde se encontram as melhores universidades e culturas em ascensão.

Segundo o estudo da Nestpick, em Lisboa, um apartamento de um quarto com 39 metros quadrados (o espaço mínimo recomendado para uma pessoa) tem um custo mensal de 529 euros. A este valor a empresa soma 323 euros para alimentação, 36 para transporte e quase 50 para comunicações (telemóvel e internet). Quem necessitar de visto de entrada tem ainda de dispor de mais 94 euros para o documento e aguardar 56 dias pela emissão.

O índice, que visa responder às dúvidas do crescente número de nómadas digitais, millennials, estudantes e expatriados à procura de oportunidades de emprego e de uma vida longe da casa mãe, é liderado pelo Dubai. A cidade dos Emirados Árabes Unidos tem um custo mensal superior a 3600 euros, sendo onde os preços da internet são mais elevados (94,66 euros). O Cairo, no Egito, é a cidade do ranking mais económica, com preços mensais da ordem dos 560 euros. Esta metrópole tem os custos mais baixos no que se refere a aluguer de casas e transporte.

A segunda posição na lista é ocupada por Auckland, que exige uma despesa no primeiro mês de 3420 euros. O estudo sublinha que na Nova Zelândia um visto demora 381 dias a ser emitido, o processo mais longo dos países que integram a lista, e o preço do documento é também o mais elevado do conjunto das urbes analisadas (1847 euros). São Francisco, nos Estados Unidos da América, é a cidade que se segue no ranking, exigindo um investimento de 3216 euros, destacando-se pelos preços dos apartamentos, que atingem valores superiores a dois mil euros. Saliente-se que aos valores mensais deve-se subtrair o custo do visto para aferir do valor das despesas médias por mês.

As duas capitais do mundo, Nova Iorque e Londres - como são muitas vezes denominadas -, ocupam respetivamente a quarta (2879 euros) e a quinta (2738 euros) posições. Londres tem os transportes mais caros do ranking. No top 10 destacam-se ainda três cidades europeias, Oslo (sétimo lugar), Zurique (8.º) e Amesterdão (décimo). Nesta shortlist surgem ainda Sydney (sexto), na Austrália, e Telavive (nono), em Israel.

A económica Bucareste

No fim da lista encontram-se cinco cidades europeias. Um jovem consegue instalar-se em Bucareste, na Roménia, com um investimento de 644 euros. Esta cidade é a terceira mais barata do ranking Nestpick. Budapeste é ligeiramente mais cara, mas ainda assim atrativa, tendo em conta os 742 euros mensais necessários para viver. Riga, na Letónia, e Sófia, na Bulgária, apresentam-se também bastante competitivas, com as despesas a rondar os 795 e os 812 euros, respetivamente.

O estudo destaca que Hong Kong tem as taxas de emissão de visto mais baratas entre as cidades que integram a lista, enquanto na Tailândia o processo é mais célere, demorando apenas dois dias. No que se refere a habitação, a componente mais dispendiosa para quem quer mudar de cidade, em Bangalore, na Índia, aluga-se um pequeno apartamento por cerca de 137 euros e come-se por 218 euros por mês. E na era tecnológica, refira-se que é em Moscovo, na Rússia, que os custos de internet são mais baratos, 4,77 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.