Concurso internacional para reforço da frota da CP avança até abril

A empresa espanhola Talgo anunciou que pretende concorrer

O concurso internacional para reforço da frota da CP-Comboios de Portugal vai ser lançado até abril, como o previsto e anunciado em novembro, confirmou hoje o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas.

O gabinete de Pedro Marques indicou que se mantém previsto o lançamento no primeiro trimestre deste ano, como anunciado no debate do Orçamento de Estado, enquanto a CP respondeu à agência Lusa que o "processo está em preparação, conforme já anunciado pela CP e pela tutela".

"Será, naturalmente, realizado ao abrigo da legislação em vigor, obedecendo a todos os requisitos e formalidades necessárias para este tipo de procedimentos", afirmou ainda fonte oficial da empresa.

Esta semana, a empresa espanhola de construção e manutenção de comboios Talgo anunciou que pretende concorrer ao concurso, numa visita que um grupo de jornalistas portugueses fez, a convite da empresa, à fábrica nos arredores de Madrid.

O responsável pelo Desenvolvimento de Negócios para a América Latina e Portugal da Talgo, João Constantino Meireles, assegurou que já há "consultas" e "conversas" para saber que tipo de comboios a CP e o Governo português pretendem comprar.

O Governo português anunciou que serão feitos grandes investimentos na ferrovia, nomeadamente em infraestruturas (linhas) e em material circulante (comboios).

Numa audição na Assembleia da República no início de novembro, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, acerca do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), destacou vários investimentos previstos para a ferrovia, na qual o executivo espera investir cerca de 360 milhões de euros, quer a nível de infraestruturas, quer de material circulante.

O responsável governamental avançou que em 2018 "será acelerado" o programa de modernização do material circulante da CP, com uma intervenção em 35 unidades, e iniciado o programa de aquisição de novo material circulante da CP.

Ler mais

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.