Companhias aéreas acusadas de somarem minutos às viagens para evitarem pagar atrasos

A acusação é de uma organização de defesa dos consumidores britânica, a Which?, que comparou os tempos de viagens anunciados atuais com os de há dez anos

As companhias aéreas estão a acrescentar minutos às viagens para evitarem pagar indemnizações por atrasos, acusa uma organização de defesa dos consumidores britânica. Segundo a Which?, as transportadores adicionam minutos às viagens, até meia hora, para dar a impressão que chegam sempre a horas.

"Apesar dos avanços nas viagens aéreas, 76 dos 125 voos analisados levam agora mais tempo do que em 2008 - se acreditarmos nos horários", diz a Which?. A organização analisou as principais rotas aéreas e concluiu que os tempos de viagem anunciados são superiores ao que eram há uma década, em 61% dos casos.

O tempo extra ajuda as transportadoras a evitar que um atraso prejudique outros voos, explica um especialista em aviação citado no estudo do organização, Keith Mason, da Universidade de Cranfield. Mas também permite que as companhias exibam uma pontualidade que na realidade obriga os passageiros a passarem mais tempo no aeroporto e avião, acrescenta.

Um porta-voz da British Airways explicou à Which? que também há razões legítimas para as demoras: um espaço aéreo mais congestionado, com muitos mais aviões no ar, e aeroportos mais cheios. Além disso, voar mais devagar gasta menos combustível, o que se reflete em bilhetes mais baratos, defendem as companhias.

Ainda assim, British Airways, Easyjet e Ryanair registam quedas na pontualidade, segundo os últimos números citados no artigo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.