Companhias aéreas acusadas de somarem minutos às viagens para evitarem pagar atrasos

A acusação é de uma organização de defesa dos consumidores britânica, a Which?, que comparou os tempos de viagens anunciados atuais com os de há dez anos

As companhias aéreas estão a acrescentar minutos às viagens para evitarem pagar indemnizações por atrasos, acusa uma organização de defesa dos consumidores britânica. Segundo a Which?, as transportadores adicionam minutos às viagens, até meia hora, para dar a impressão que chegam sempre a horas.

"Apesar dos avanços nas viagens aéreas, 76 dos 125 voos analisados levam agora mais tempo do que em 2008 - se acreditarmos nos horários", diz a Which?. A organização analisou as principais rotas aéreas e concluiu que os tempos de viagem anunciados são superiores ao que eram há uma década, em 61% dos casos.

O tempo extra ajuda as transportadoras a evitar que um atraso prejudique outros voos, explica um especialista em aviação citado no estudo do organização, Keith Mason, da Universidade de Cranfield. Mas também permite que as companhias exibam uma pontualidade que na realidade obriga os passageiros a passarem mais tempo no aeroporto e avião, acrescenta.

Um porta-voz da British Airways explicou à Which? que também há razões legítimas para as demoras: um espaço aéreo mais congestionado, com muitos mais aviões no ar, e aeroportos mais cheios. Além disso, voar mais devagar gasta menos combustível, o que se reflete em bilhetes mais baratos, defendem as companhias.

Ainda assim, British Airways, Easyjet e Ryanair registam quedas na pontualidade, segundo os últimos números citados no artigo.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.