Centeno: "Não estamos a abrir a porta às pré-reformas"

Diploma para acesso à pré-reforma dos funcionários públicos está em vigor há dois meses mas ainda não houve pedidos, segundo ministro das Finanças.

Zero. O Ministério das Finanças ainda não recebeu qualquer pedido dos funcionários públicos com 55 ou mais anos para acederem à pré-reforma. A revelação foi feita por Mário Centeno esta terça-feira, e mostra como o Governo está a deixar pouco espaço para os trabalhadores do Estado poderem reduzir ou suspender funções antes da reforma.

"O país não está numa situação em que o sinal que se queira dar é de que as pessoas se podem pré-reformar. [...] O país não está numa posição económica, financeira e social que se possa dar ao luxo de ter as pessoas a sair do mercado do trabalho", refere o titular da pasta das Finanças em entrevista ao jornal Público.

Centeno considera que esta situação "não defrauda expectativas nenhumas" e defende que a validação da saída de um funcionário público "é casuística" e "tem de ser tomada com uma enormíssima responsabilidade social, obviamente laboral, e é para isso que o mecanismo existe".

Desde 6 de fevereiro que os funcionários públicos podem pedir a passagem à pré-reforma. A medida tem um universo de mais de 180 mil funcionários. Os sindicatos, logo em fevereiro, alertaram para um cenário de negociações "opaco" e aconselharam cautela, segundo declarações dadas na altura ao Dinheiro Vivo.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos