Centeno: "Não estamos a abrir a porta às pré-reformas"

Diploma para acesso à pré-reforma dos funcionários públicos está em vigor há dois meses mas ainda não houve pedidos, segundo ministro das Finanças.

Zero. O Ministério das Finanças ainda não recebeu qualquer pedido dos funcionários públicos com 55 ou mais anos para acederem à pré-reforma. A revelação foi feita por Mário Centeno esta terça-feira, e mostra como o Governo está a deixar pouco espaço para os trabalhadores do Estado poderem reduzir ou suspender funções antes da reforma.

"O país não está numa situação em que o sinal que se queira dar é de que as pessoas se podem pré-reformar. [...] O país não está numa posição económica, financeira e social que se possa dar ao luxo de ter as pessoas a sair do mercado do trabalho", refere o titular da pasta das Finanças em entrevista ao jornal Público.

Centeno considera que esta situação "não defrauda expectativas nenhumas" e defende que a validação da saída de um funcionário público "é casuística" e "tem de ser tomada com uma enormíssima responsabilidade social, obviamente laboral, e é para isso que o mecanismo existe".

Desde 6 de fevereiro que os funcionários públicos podem pedir a passagem à pré-reforma. A medida tem um universo de mais de 180 mil funcionários. Os sindicatos, logo em fevereiro, alertaram para um cenário de negociações "opaco" e aconselharam cautela, segundo declarações dadas na altura ao Dinheiro Vivo.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.