"Vai forçar produtores à morte." Camboja condena medidas da UE sobre o arroz

O Governo do Camboja acusou hoje a União Europeia (UE) de violar as regras do comércio internacional, depois de Bruxelas ter anunciado que vai reintroduzir direitos de importação sobre o arroz proveniente daquele país e do Myanmar.

A decisão tomada na quarta-feira pela Comissão Europeia tem como pano de fundo a proteção dos produtores europeus, uma medida solicitada por vários Estados-membros, entre os quais Portugal, e entra em vigor já esta semana.

Contudo, o Ministério do Comércio do Camboja defende que a medida não está em conformidade com as regras do comércio internacional, nem reflete uma boa cooperação entre o Camboja e a UE, tratando-se de "uma arma que matará" os produtores cambojanos endividados.

"A decisão de introduzir medidas protecionistas (...) vai privar os agricultores dos seus rendimentos e vai forçá-los à morte", condenou o ministério, em comunicado.

Neste sentido, o país asiático pediu às autoridades europeias para reverem a decisão que descreveu como "injustificável" e assegurou que está a estudar a legalidade da mesma.

O pedido inicial de instituição de medidas de salvaguarda sobre as importações de arroz foi apresentado por Itália há quase um ano, em fevereiro de 2018, com o apoio de todos os outros Estados-membros produtores de arroz: Portugal, Espanha, França, Grécia, Hungria, Roménia e Bulgária.

Se querem a oposição viva não o façam, venham e dialoguem

O Camboja e Myanmar são beneficiários do regime de comércio "Tudo Menos Armas" da UE, que concede unilateralmente acesso ao seu mercado, com isenção de direitos aduaneiros e sem limites quantitativos, aos países menos avançados do mundo (exceto para armas e munições). O estatuto pode ser retirado caso existam violações de direitos humanos.

Em novembro a UE iniciou o processo formal para retirar o estatuto desse regime ao Camboja, depois da repressão à oposição que antecedeu a eleição de Hun Sen como primeiro-ministro em julho. O chefe do governo ameaça agora vingar-se na oposição caso termine a isenção de direitos aduaneiros. Se querem a oposição viva não o façam, venham e dialoguem", afirmou, citado pela Reuters.

Foi em 2017 que o Supremo Tribunal dissolveu o maior partido da oposição do Camboja, o CNRP, e baniu 118 dos seus membros, sob acusação de que o partido estaria a preparar um golpe de estado com a ajuda dos Estados Unidos. Tanto a oposição como os EUA negaram a acusação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.