Boom de queixas contra agências imobiliárias

Falhas nos compromissos assumidos, não devolução de cauções e assédio a quem quer vender de forma particular são algumas das reclamações, que aumentaram 20% no último ano

Tiago e Joana tiveram de deixar a casa arrendada onde moravam. "O senhorio estava emigrado e voltou. Quis a casa. Estava no seu direito", contam ao DN/Dinheiro Vivo. À procura de um novo sítio para morar, depararam-se com preços de arrendamento incomportáveis. Preferiram, então, avançar para a compra de uma casa. Contactaram uma das maiores imobiliárias do país. E ganharam uma dor de cabeça.

"Vimos um T2 de que gostámos, na localização que queríamos e fizemos uma proposta que foi aceite. Deixámos um sinal de 2500 euros como prova de boa-fé, tratámos do assunto com o banco, pagámos - do nosso bolso - uma avaliação ao imóvel. Fizemos tudo direitinho. E no dia anterior ao contrato-promessa de compra e venda, ligaram-nos a dizer que a casa, afinal, ia ser vendida a outra pessoa", recorda Tiago, que não tem dúvidas sobre o que aconteceu. A concretização do negócio iria implicar uma partilha de comissões entre agentes imobiliários - entre o que os estava a ajudar e a que tinha o imóvel angariado. "A outra agente não quis partilhar a comissão, por isso ignorou o que estava acordado e foi procurar outro comprador."

Tiago e Joana acabaram de mãos a abanar, desprotegidos, desmoralizados, sem a casa que queriam, depois de terem gasto tempo e dinheiro no processo. Fizeram várias reclamações para a agência, sem nunca terem obtido qualquer resposta. Expuseram depois a situação no Portal da Queixa que, até agora, se encontra sem resolução.

O caso não é único. No portal online existem mais de uma centena de situações semelhantes. Entre 7 de junho de 2018 e 7 de maio de 2019, foram inseridas 160 reclamações contra agências imobiliárias. É uma subida de 20% em relação ao período homólogo. A maioria das queixas está relacionada com falhas nos compromissos assumidos (44%). Há também queixas por falta de interesse na venda ou arrendamento (20%), criando entraves à concretização dos negócios, e por não devolução de sinal ou caução (20%). Existem ainda outros casos (13%), em que se incluem o assédio a proprietários que querem vender e arrendar os seus imóveis de forma particular, um terreno que foi posto à venda sem o consentimento dos proprietários, e até uma situação em que se acusa os mediadores de venderem um imóvel e ficarem com o dinheiro da venda.

No ano passado, só 24 reclamações contra agências imobiliárias tiveram resposta no Portal da Queixa. E apenas nove foram dadas como resolvidas. "Infelizmente, assistimos a um total descontrolo por parte das entidades que regulam o setor, tendo em conta que apenas procuram agir de forma reativa em conformidade com as normativas legais e não salvaguardando proativamente os interesses dos consumidores, na sequência de práticas comerciais pouco transparentes," explica ao DN/Dinheiro Vivo Pedro Lourenço, CEO e fundador da plataforma online.

Os números de queixas à Deco são bem expressivos. Em 2017, a associação de defesa do consumidor recebeu 595 reclamações contra empresas do ramo imobiliário. Esse valor passou a 649 em 2018. E neste ano, de janeiro a abril, as queixas já vão em 224. Os motivos apresentados são semelhantes: problemas na informação transmitida no momento da contratação, no pagamento da comissão, incumprimento contratual, dificuldades na marcação de visitas e publicitação do imóvel errónea.

"Como em todas as profissões, existem bons e maus profissionais, e o imobiliário não é exceção. Infelizmente, há agentes que põem em causa a seriedade da profissão, algo que se torna mais notório num período em que as dinâmicas do mercado têm promovido o aumento dos profissionais a atuar neste ramo", assume Luís Lima, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP).

E aconselha as pessoas a informarem-se sempre acerca da empresa que contratam. "É importante, antes de mais, que os consumidores se certifiquem de que a entidade com quem negociam é devidamente licenciada e reúne as condições legais necessárias para operar neste mercado. Tal poderá ser verificado com a solicitação do número de licença AMI, emitido pelo órgão regulador (IMPIC), que o garante." Luís Lima assume que isso pode não ser suficiente. "Ainda assim poderá dar-se o caso de algumas entidades devidamente licenciadas atuarem de forma incorreta, comportamento com que a APEMIP não compactua. Como tal, todas as reclamações são encaminhadas à APEMIP, quer digam respeito a más práticas no mercado quer sejam sobre mediação ilegal, são devidamente reportadas ao órgão regulador ao qual cabe a fiscalização do mercado."

Tiago e Joana não vão desistir de ver a sua situação resolvida. Já têm casa nova, mas querem que a agência assuma as consequências do prejuízo que lhes causou. "Podemos ter de gastar mas 100 ou 200 euros com um advogado, mas vamos até ao fim."

* Jornalista do Dinheiro Vivo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.