50 euros dividem patrões e motoristas ao 7.º dia de greve

Sindicato deixou cair a reivindicação de aumentos salariais mas exige um subsídio operacional mais elevado.

Um aumento de 50 euros no novo subsídio de operações está a travar um acordo entre os motoristas de matérias perigosas e a associação patronal, que considera a exigência "incomportável" para as empresas.

O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) deixou cair a exigência de aumentos salariais para que possa ser alcançado um acordo com a ANTRAM-Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários e de Mercadorias.

Num comunicado divulgado este sábado, o sindicato refere que, "reconhecendo neste momento o esforço negocial do governo e a disponibilidade do nosso compromisso, a proposta (do sindicato) abria mão do desdobramento para 2021 e 2022, centrando-se num plano de ganhos inferior aos 900 euros de salário base pelos quais nos batemos".

Mas, em alternativa, o sindicato exige um valor mais elevado no subsídio de operações, que ficou fixado nos 125 euros no acordo assinado com a Fectrans e com o SIMM, em relação aos motoristas de mercadorias. O sindicato reclama um aumento de cerca de 50 euros nessa compensação, em termos mensais, o que corresponde a mais 40%.

Este subsídio relativo ao risco para manuseamento de matérias perigosas foi introduzido no acordo coletivo assinado em maio deste ano para entrar em vigor em 2020.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.