Governo não espera que a TAP pague empréstimo

A TAP vai receber este ano a última injeção de capital do Estado, de 990 milhões de euros. As ajudas totais ascendem aos 3,2 mil milhões.

A pergunta repetiu-se mas a resposta não chegou. Afinal, como e quando vai a TAP pagar o empréstimo de 3,2 mil milhões de euros ao Estado português? "A TAP vai devolver [o valor do empréstimo] em exportações nacionais, em compras a mais de mil empresas nacionais e através de todas as receitas no turismo", disse ontem o ministro das Infraestruturas e Habitação.

Pedro Nuno Santos foi questionado pelos deputados sobre os timings para a devolução da injeção de capital que o governo está a fazer na transportadora aérea, na discussão da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2022.

Na reunião conjunta da Comissão de Orçamento e Finanças e da Comissão de Economia, Obras Públicas, Planeamento e Habitação o governante não concretizou uma resposta sobre as ajudas que estão a ser dadas à TAP no âmbito do plano de reestruturação aprovado por Bruxelas, e sublinhou que "não é relevante receber os 3,2 mil milhões de euros", mas sim, "salvar uma das mais importantes empresas para o nosso país". "Esta empresa é demasiado importante para a economia nacional para a deixarmos cair", apontou.

A companhia aérea, detida em 98% pelo Estado português, espera reduzir o peso dos prejuízos este ano para 54 milhões de euros, isto, depois de ter registado o pior resultado de sempre, em 2021, com um saldo negativo de 1600 milhões de euros. O governante explicou que as metas inscritas no plano viabilizado pela Comissão Europeia preveem que, em 2023, a TAP atinja "um equilíbrio operacional", chegando os lucros dentro de três anos, em 2025.

Pedro Nuno Santos sublinhou que os prejuízos da transportadora de bandeira em 2021 ficaram abaixo do valor definido do documento aprovado pela Comissão Europeia, 1700 milhões de euros. Por isso mesmo, o ministro espera que as perdas referentes a 2022 sejam também inferiores aos 54 milhões de euros.

"Em 2023 esperamos ter um equilíbrio operacional e e ter lucros em 2025", disse.


Sem esmiuçar números, o ministro informou que a operação da transportadora nos primeiros meses deste ano está a recuperar. "As receitas da TAP estão a subir em linha, mas um bocadinho acima da globalidade do setor. A TAP não está mal quando comparada com os seus concorrentes", garantiu.

Aeroporto
Sobre a construção do novo aeroporto, Pedro Nuno Santos garantiu que não haverá espaço para ir além das soluções já apresentadas, que se desenham entre o Montijo e Alcochete. "O país já estudou tudo o que havia para estudar. Não há surpresas para descobrir", disse em resposta à deputada do PAN, Inês de Sousa Real.

O ministro assumiu ainda ter dúvidas relativamente ao concurso púbico para a Avaliação Ambiental Estratégica da construção de um novo aeroporto, que foi ganho pela portuguesa Coba e pela empresa espanhola Ineco. O governante referiu que o júri do concurso internacional não viu na proposta um "conflito de interesses" e que o governo não teve interferência no processo, mas que, ainda assim, tem "dúvidas", garantido que o governo "está a avaliar o que fazer" relativamente à presença de uma empresa detida pelo Estado espanhol no processo.

A TAP vai receber durante este ano uma injeção de quase mil milhões de euros. De acordo com o governo, este será o último ano em que a transportadora recebe apoio financeiro no âmbito do plano de reestruturação de que está a ser alvo, aprovado pela Comissão Europeia em dezembro de 2021, numa fatura total que custará ao Estado português 3,2 mil milhões de euros.

Rute Simão é jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG