Fundador do Snapchat é o jovem mais rico do mundo

Evan Spiegel, CEO da app que envia imagens que se autodestroem, "vale" 1,8 mil milhões.

O nome Evan Spiegel pode dizer pouco aos menos atentos, mas a empresa que criou está entre as de maior sucesso e catapultou os seus dois inventores para a lista dos mais ricos do mundo. A Snapchat, a app que envia mensagens que se autodestroem em segundos, está hoje avaliada em 16 mil milhões de dólares (14,2 mil milhões de euros). Spiegel, o fundador e presidente executivo da empresa, é, com apenas 25 anos, o multimilionário mais jovem do mundo, segundo a Forbes. Na edição de 2015, aparece em 327.º lugar numa lista composta por 400 nomes. A sua fortuna, refere a revista, deverá rondar os 2,1 mil milhões de dólares (1,86 mil milhões de euros).

É a primeira vez que o dono do Snapchat figura entre os mais ricos. Ao seu lado está Bobby Murphy, de 27 anos, o amigo com quem fundou a aplicação móvel e que também entra na lista dos multimilionários mais jovens do mundo. A riqueza de Murphy está avaliada em 1,8 mil milhões de dólares (1,6 mil milhões de euros).

Mas quem é Evan Spiegel? Nascido em Los Angeles, abandonou o curso de design de produto na Universidade de Stanford para se dedicar a tempo inteiro à aplicação que hoje é utilizada por quase 100 milhões de pessoas que trocam entre si imagens e vídeos que se apagam instantaneamente ao fim de segundos.

Não é o único criador de tecnológicas a ter a sua fortuna em destaque. Bill Gates, fundador da Microsoft, volta a liderar a lista da prestigiada revista pela 22.ª edição, com uma fortuna avaliada em 76 mil milhões de dólares (67 mil milhões de euros). Mark Zuckerberg, o pai do Facebook, e Jeff Bezos, CEO da Amazon, também aparecem no top 10.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.