A nova ordem mundial ameaça ou acelera a transição energética?

O debate do Portugal Mobi Summit juntou presidentes da EDP Comercial, Brisa, Lidl, Fidelidade e dos municípios de Lisboa e de Cascais para discutir os desafios para a mobilidade sustentável em cenário de crise energética.

Até que ponto o caminho da transição energética e da mobilidade sustentável nas cidades pode ser afetado por todas as mudanças ao nível da geopolítica e da crise energética que estão a coincidir no tempo com uma pandemia global? Este é o ponto de partida da sessão do Portugal Mobi Summit 2022, que junta os parceiros do maior evento de mobilidade urbana para um debate sobre um dos temas de maior relevância da atualidade.

A guerra na Europa e a consequente crise energética, a perturbação nas cadeias de abastecimento globais e a inflação galopante podem atrasar ou, pelo contrário, acelerar a viragem para novas fontes energéticas e formas de mobilidade mais amigas do ambiente? A resposta não é óbvia.

Vera Pinto Pereira (presidente da EDP Comercial), Carlos Moedas (presidente da Câmara Municipal de Lisboa), Carlos Carreiras (presidente da Câmara Municipal de Cascais), António Pires de Lima (CEO da Brisa), Pedro Rebocho (Administrador de Infraestruturas do LIDL) e Rogério Campos Henriques (presidente do conselho executivo da Fidelidade) vão apontar caminhos e mostrar o que estão a fazer nas suas organizações para garantir que essa transição acontece.

Desse modo dão também o pontapé de saída à 5ª edição do PMS, que, este ano volta à Nova SBE, em Carcavelos, para realizar a sua cimeira internacional a 28 e 29 de setembro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG