Garrafas de plástico: devolução em troca de descontos só em março

Finanças já desbloquearam financiamento de 1,7 milhões. Portugueses vão poder trocar vasilhame de plástico por talões de desconto.

As Finanças já desbloquearam os cerca de 1,7 milhões de euros para o arranque do projeto-piloto para o depósito de garrafas de plástico a troco de talões de desconto nos supermercados. O projeto estava previsto arrancar já em janeiro, mas o atraso na libertação dos 1,665 milhões de euros de financiamento poderá empurrar o arranque da iniciativa para março, de acordo com fontes próximas do processo ouvidas pelo DN/Dinheiro Vivo.

O projeto-piloto, que visa promover a reciclagem do plástico e a economia circular, prevê a instalação de 23 máquinas de recolha de garrafas de plástico PET em supermercados. Mas, entre a encomenda e a instalação das máquinas nas mais de duas dezenas de superfícies comerciais espalhadas por Portugal continental, deverão decorrer "no mínimo, seis semanas". ´

Auchan, Leclerc, Jerónimo Martins (dono do Pingo Doce), Modelo Continente e grupo Mosqueteiros (dono do Intermarché), tal como já tinha avançado o Dinheiro Vivo, são as cadeias que, de Norte a Sul de Portugal continental, vão receber as máquinas onde os portugueses poderão depositar as garrafas de plástico.

"A escolha teve por base um equilíbrio participativo entre os vários grupos de retalho; e que a cadeia esteja perto de pelo menos um local dos sistemas de gestão de resíduos urbanos (SGRU), bem como em concelhos de elevada densidade populacional", explica o consórcio, não adiantando quais os locais exatos onde as máquinas de recolha irão ser instaladas.

Em troca, os consumidores recebem um vale de desconto, cujo valor varia entre dois cêntimos, para garrafas entre cem mililitros e meio litro, e cinco cêntimos, para garrafas entre o meio litro e os dois litros.

O projeto-piloto, que decorre até junho de 2021, visa "adquirir experiência e produzir ensinamentos para a definição e implementação do futuro sistema de depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio", diz o Governo na portaria onde liberta os fundos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG