Companhia aérea eslovena Adria Airways declara falência

Depois do colapso das francesas Aigle Azur e XL Airways, a eslovena Adria Airways é a terceira companhia aérea europeia a ter este destino num setembro negro para o setor do turismo que viu ainda a queda da gigante britânica Thomas Cook.

A companhia aérea eslovena Adria Airways, que tinha sido comprada em 2016 pelo fundo de investimentos alemão 4K Invest, declarou falência esta segunda-feira, depois de passada semana já ter sido obrigada a cancelar a maioria dos seus voos por problemas financeiros.

É a terceira companhia aérea europeia a ter este destino no espaço de um mês, depois do colapso das francesas Aigle Azur e XL Airways. As transportadoras europeias mais pequenas têm-se deparado com problemas financeiros devido ao excesso de empresas a trabalhar no setor, a concorrência feroz e os altos preços dos combustíveis.

Este é um mês negro para o setor do turismo, que viu ainda a queda da gigante operadora britânica Thomas Cook.

"Os procedimentos de falência foram iniciados pela gerência da empresa por causa da insolvência da companhia", anunciou na segunda-feira a Adria. Desde terça-feira que a companhia tinha cancelado mais de 400 voos, afetando as viagens de 15 mil passageiros.

O ministro da Economia da Eslovénia, Zdravko Pocivalsek, disse que o governo está a considerar criar uma nova companhia para melhorar as ligações internacionais do país, visto que o colapso da Adria vai prejudicar a economia e a indústria do turismo do país. O governo lembrou que as regras da União Europeia impediam qualquer apoio oficial, deixando contudo claro que também nunca iriam ajudar os atuais donos, considerando-os "irresponsáveis".

Segundo os media locais, a dívida da empresa chega aos 90 milhões de euros. As autoridades eslovenas tinham dado à Adria até 2 de outubro para apresentar um plano financeiro que lhe permitisse manter a licença, mas o fundo de investimento optou pela falência. Desde 2016 que a empresa tinha vendido os seus aviões e estava a voar para vários destinos europeus em aeronaves alugadas.

Alguns dos voos da Adria foram assumidos pelas alemã Lufthansas e Fraport (esta última é proprietária do aeroporto de Liubliana).

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.