Coimbra vai ter curso sobre manutenção de aeronaves

Manutenção de aeronaves é uma profissão com elevada procura e escassez de profissionais.

A manutenção de um avião exige, pelo menos, 12 técnicos. Com empresas como a Boeing ou a Airbus a estimarem a produção de 30 mil novas aeronaves para a próxima, o Instituto Superior de Engenharia de Coimbra arrisca dizer que o mercado irá precisar de 360 mil novos técnicos até 2029. Lança, por isso, a 30 de setembro, um Curso Técnico de Manutenção de Aeronaves, o primeiro da região Centro de Portugal.

A formação surge em parceria com o grupo Sevenaire terá a duração de 6 anos. O primeiro será de formação teórica em sala de aula e os restantes cinco em ambiente de trabalho, através de estágios remunerados. "Lançámos este curso porque o mercado da aeronáutica é um dos que vai ter um maior crescimento nos próximos anos, quer a nível nacional, quer a nível europeu, quer a nível mundial: a procura de técnicos nesta área e os seus salários estão a aumentar a um ritmo acelerado", explica Mário Velindro, presidente do ISEC.

O curso é certificado pela Autoridade Nacional da Aviação Civil , ANAC, que exige, entre outras coisas, que cada turma não conte com mais de 25 alunos. Para já contam-se empresas aéreas como Ogma, Hi Fly, Helibravo ou Ryanair como parceiros para estágios.

Há ainda um parceiro aeronáutico que, neste curso, "é a Sevenair, a academia portuguesa de formação de pilotos e de técnicos de manutenção aeronáutica, uma entidade com muita experiência na formação nesta área", detalha ainda Mário Velindro.

"Os recursos humanos são um problema europeu [na aeronáutica]. Faltam pilotos, engenheiros e, na Europa, sobretudo técnicos. Essa escassez é tão grande que nós, que temos mais de 300 alunos em formação, no fim do ano que termina já não conseguimos contratá-los", disse recentemente, Alexandre Alves, administrador da Sevenair, ao Dinheiro Vivo.

Ana Margarida Pinheiro é jornalista do Dinheiro Vivo .

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.