Banco de Portugal já indica dificuldades no setor exportador

Há duas semanas, INE previa uma aceleração das vendas totais, mas o banco central indica que o ritmo das exportações pode, afinal, ter caído para cerca de 1,6% no terceiro trimestre, um quinto do valor de há precisamente um ano.

A economia portuguesa deverá manter um ritmo de crescimento na ordem dos 1,9% no terceiro trimestre, mas começam a surgir sinais de fadiga nas exportações na sequência do arrefecimento da economia internacional e, em particular, da Europa.

Por exemplo, com base em dados do Banco de Portugal corrigidos da sazonalidade relativos às exportações de bens e serviços, é possível ver já um forte abrandamento nas vendas totais ao estrangeiro no decorrer do terceiro trimestre. Cálculos do DN/Dinheiro Vivo mostram que as exportações totais nos três meses de julho a setembro travaram para 1,6% face a igual período de 2018, o que se traduz num dos registos mais fracos desde a última crise.

Isto significa também que as exportações portuguesas estão a perder gás desde o início do ano. Nesta série do Banco de Portugal, as vendas do país ao exterior estavam a crescer mais de 4% no primeiro trimestre, depois baixaram para 2,7% no trimestre seguinte. Agora, o ritmo fica-se pelos 1,6%.

Há duas semanas, o Instituto Nacional de Estatística (INE), na sua estimativa preliminar, na qual ainda não tinha incorporada toda a informação, estimou que o produto interno bruto (PIB) "aumentou 1,9% em volume no terceiro trimestre de 2019" face ao mesmo período do ano passado. Este ritmo é assim idêntico ao do trimestre anterior, observou o INE. Hoje, o instituto publica os dados definitivos relativos ao terceiro trimestre.

No entanto, nessa altura, o INE disse que "o contributo da procura externa líquida [exportações menos importações] manteve-se negativo no terceiro trimestre". As importações estão a crescer mais rápido do que as exportações, daí o contributo negativo da procura externo. Em todo o caso, o INE referiu que ambas as vendas e as compras ao exterior da economia nacional estavam a acelerar. Segundo o banco central, pode não ser bem assim.

O ritmo da economia aguenta-se perto dos 1,9%

O INE sublinhou ainda que este terceiro trimestre foi marcado por uma "aceleração do consumo privado" e um "crescimento menos intenso" do investimento. Os economistas do ISEG que seguem a conjuntura portuguesa observam que o seu "o indicador de tendência da atividade", que é uma média ponderada dos vários indicadores, "apresentou, nos últimos três trimestres, uma certa estabilidade, apesar de evidenciar decréscimo nos últimos três meses".

Isto é: o ritmo da economia aguenta-se perto dos 1,9%, mas há coisas que estão a correr pior, outras melhor e compensam-se mutuamente. "Podemos dizer que a produção industrial decresceu de forma substancial (com forte peso negativo do agrupamento energia), enquanto a construção se expandiu bastante", dizem os peritos do ISEG. "Os indicadores do consumo privado tiveram um crescimento relativamente estável e a produção nos serviços tem vindo a desacelerar lentamente."

Exportações de combustíveis fraquejam, turismo aguenta-se

Nas exportações, o ISEG destaca "a queda nas exportações de combustíveis e de outros serviços fornecidos por empresas e no aumento das importações de bens de equipamento e de "outros serviços fornecidos por empresas", que refletem "o arrefecimento do crescimento europeu e mundial". O turismo, o setor mais importante nas vendas de serviços para fora, parece que ainda se aguenta, pelo menos na parte da hotelaria.

"Os proveitos totais da hotelaria (série nominal, INE) registaram uma variação homóloga de 6,7% em setembro (6,6% no terceiro trimestre, 7,1% desde o início do ano), evidenciando um crescimento algo estável depois da desaceleração do ano anterior. O crescimento das exportações (nominais) de viagens e turismo de janeiro a setembro foi 7,8% (Banco de Portugal)", observam os especialistas do ISEG.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG