Altice aposta nas tecnologias IoT para apoiar a gestão urbana das cidades

Planear, otimizar ou evitar desperdícios são algumas soluções com impactos sociais, económicos e ambientais na gestão do tráfego, dos transportes públicos, da água ou da energia.

A Internet of Things (IoT) está a mudar a face tecnológica das cidades ao permitir eliminar desperdícios, poupar recursos, interligar serviços, planear estratégias, antecipar ou corrigir anomalias em tempo real. Esse é o potencial que a Altice quer agarrar com soluções que ambicionam alcançar impactos sociais, económicos e ambientais. Da mobilidade, às energias renováveis, passando pela monitorização da poluição, até à gestão da água ou dos resíduos, os desafios que os municípios enfrentam só poderão ser ultrapassados com os centros urbanos a entrarem na era das Smart Cities.

Os problemas das cidades exigem abordagens integradas e essa é uma das respostas que a Altive lançou com a Gestão de Frotas, a plataforma criada para apoiar autarquias e setor empresarial na articulação do seu parque de veículos. Monitorizar os movimentos das viaturas, obter informação pormenorizada dos percursos ou programar rotas são alguns dos recursos incluídos.

Mas este é o instrumento que também permite corrigir falhas em tempo real, através da notificação por email ou SMS e, ainda, consultar relatórios detalhados sobre o desempenho da frota. A plataforma possibilita ainda a integração todos os custos, incluindo encargos com combustível, portagens, oficina e acidentes.

A gestão eficiente do trânsito, peça-chave na sustentabilidade das cidades, é a aposta da Altice que, ao recorrer às tecnologias IoT, procura reduzir congestionamentos ou aumentar a segurança rodoviária. Trata-se, no fundo, de criar dispositivos capazes de monitorizar à distância e atuar no imediato em todos os sistemas de tráfego de uma cidade - semáforos, sinais digitais ou redes de videovigilância. Fluxos de trânsito controlados por sensores, supervisão no acesso de viaturas em zonas históricas ou gestão dos equipamentos de trânsito em tempo real são algumas das valências possíveis graças à Internet das Coisas.

E porque os transportes públicos não podem ficar de fora desta equação, a operadora de comunicações assegura estar comprometida com soluções que oferecem viagens intuitivas e sem perturbações. A Bilhética Intermodal de Transportes Urbanos é o serviço que poderá talvez sair mais beneficiado com as tecnologias IoT.

Experiências integradas para os utentes, com a venda, a validação de bilhetes, a fiscalização e os modos de pagamento são processos que se tornam mais acessíveis com as tecnologias inteligentes. A

simplificação pretende ser o ponto central de um modelo que prioriza ainda a informação contínua sobre horários e funcionamento dos transportes, garantindo maior eficiência na gestão.

Com a micromobilidade a assumir maior peso nas viagens urbanas, a Altice também decidiu pedalar sobre esta tendência, fornecendo respostas para serviços de bike sharing. As bicicletas partilhadas - convencionais ou elétricas - assumem-se como alternativas sustentáveis ao automóvel que, além de ideais em curtas deslocações, são indispensáveis para fazer a ponte com outros transportes públicos. A sua eficiência traduz-se não só na conectividade de todo o sistema, como também na disponibilidade de um serviço WIFI disponível nas docas de estacionamento.

O que a mobilidade suave faz pelas cidades ao reduzir a poluição e o ruido será provavelmente a vantagem mais palpável. Mas os desafios ambientais poderão ainda ganhar muito com soluções IoT que a operadora de comunicações tem disponíveis para empresas e autarquias. A Monitorização Ambiental é o instrumento que mede em tempo real a qualidade do ar e os níveis de ruído. Hoje, já é possível avaliar continuamente o que respiramos, podendo até corrigir-se a qualquer momento as medidas ou as políticas que não estão a funcionar.

As tecnologias inteligentes da Altice mostram-se particularmente inovadoras na gestão da recolha de resíduos sólidos. Imagine-se um modelo que garante a monitorização dos níveis de enchimento dos contentores para diferentes tipos de resíduos sólidos. Nem é preciso imaginar porque a solução existe e promete acabar com os caixotes de lixo ou os ecopontos a transbordar nas ruas.

Usando o trunfo da IoT é possível aumentar a eficiência em praticamente todos os domínios da gestão urbana. A telemetria da água é só mais um serviço da operadora de comunicações para minimizar perdas, detetar fraudes, obter leituras remotas de consumos ou reparar anomalias. E os sistemas que monitorizam e otimizam consumos energéticos das infraestruturas da cidade é outro exemplo a demonstrar que as tecnologias inteligentes estão a sair do futuro para entrar finalmente no dia-a-dia dos centros urbanos.

Veja tudo sobre mobilidade e o Portugal Mobi Summit em https://portugalms.com/

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG