Vieira revela reunião secreta com Pinto da Costa e o motivo para o corte de relações

Presidente do Benfica diz que existiu um período de paz entre os dois clubes. Mas que depois Pinto da Costa faltou à palavra na indicação de um presidente para a Liga e que desde aí não voltaram a falar.

Em entrevista à RTP3 no domingo à noite, Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica e candidato às eleições que se realizam no final do mês, revelou que manteve há uns anos (em 2015) uma reunião secreta com Pinto da Costa, na qual foi abordada a escolha do candidato às eleições na Liga.

Vieira diz que nunca ninguém soube deste encontro, que foi testemunhado pelos presidentes do Sp. Braga e V. Guimarães, e que acabou por ser este o motivo de um novo corte de relações entre os dois clubes, porque Pinto da Costa terá à última hora faltado à palavra e apoiado Pedro Proença em vez de Luís Duque para o cargo de presidente da Liga.

"Uma vez houve um encontro entre mim, o Pinto da Costa, o Júlio Mendes [ex-presidente do V. Guimarães], o António Salvador, o Domingos Soares de Oliveira e o Antero Henrique. Nunca ninguém soube que tínhamos reunido. Nessa conversa eu disse ao presidente do FC Porto: 'A resolução da Liga passa por nós os dois. Nem FC Porto, nem Benfica podem ter pessoas nos órgãos sociais da Liga. Escolha quem quiser, mas não pode ser de nenhum dos clubes'. O primeiro nome que ele disse foi o Jorge Neto e eu disse-lhe que esse era portista. Então ele disse para eu escolher e eu sugeri o Luís Duque. Andámos numa paz, uma relação normal entre os dois clubes. Mas um dia, o Pedro Proença despede-se da arbitragem e diz que se vai candidatar a presidente da Liga e que tinha o apoio do FC Porto. Isso passado seis meses. A partir daí nunca mais falei com ele, não me interessei", contou.

Mais recentemente, por via do cenário da pandemia, Vieira e Pinto da Costa voltaram a estar juntos numa reunião, desta vez a pedido de Fernando Gomes, presidente da FPF, para conversarem com o primeiro-ministro António Costa sobre futebol e as consequências da covid-19.

"Face aos problemas com a pandemia, entendemos reunir com o primeiro-ministro e fomos os três presidentes dos grandes e correu tudo bem. Falei normalmente com o Pinto da Costa. Sou uma pessoa de palavra, mas quando do outro lado não é cumprida, não vale a pena."

António Costa e Cavani

Outro dos temas abordados na entrevista foi a polémica em torno do nome do primeiro-ministro António Costa na Comissão de Honra da candidatura de Luís Filipe Vieira, que posteriormente devido ao muito ruído acabou por ser retirada.

""Tenho sido sempre um homem coerente na minha vida. Eu trato o primeiro-ministro por António. É meu amigo, cidadão e sócio do Sport Lisboa de Benfica. Foi nessa condição que ele integrou a lista da minha comissão de honra. Ele já me tinha apoiado em anteriores eleições. Nunca o mencionei como primeiro-ministro. Entendi que o António Costa não podia estar a sofrer por causa disto. Entendi por bem retirar todos os politicos da minha lista. Mas porquê é que antes nunca tinha havido polémica? É a pergunta que faço."

Na mesma entrevista à RTP3, entre vários temas abordados, o presidente do Benfica falou ainda da transferência não consumada de Cavani e porque o negócio não foi para a frente.

"O Benfica fez uma proposta, sensata e a que podia fazer para contratar o Cavani. Tudo levava a querer que íamos fechar o negócio, mas quando as coisas começam a demorar pedi a eles para mandarem uma proposta por escrito. E quando vou a ver era praticamente o dobro do que tínhamos dito. Disse então que não estávamos interessados. Confirmo que tivemos interesse, mas posso garantir que se me tenho encontrado com ele, tínhamos assinado", revelou.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG