Silas : "Grande parte do nosso trabalho tem sido psicológico"

Treinador do Sporting abordou o jogo com o Vit. Guimarães este domingo, às 20.00, em Alvalade.

Silas aproveitou o antevisão do jogo com o Vitória de Guimarães para explicar o teor das afirmações após a derrota na Taça de Portugal com o Alverca. Na altura, o treinador dos leões disse que a equipa não precisa de heróis e houve quem pensasse que se referia ao capitão Bruno Fernandes.

"Não disse que os jogadores queriam resolver os coisas sozinhos. O que quis dizer é que temos de ter mais gente a resolver problemas, mais gente a assumir responsabilidade. Não podemos deixar tudo nos ombros de um ou dois jogadores. Sabemos quem são, não podem fazer esse esforço sozinhos (...) Notei muito mais solidariedade relativamente a relações de jogadores, esse é o meu ponto. Não podemos pôr toda a responsabilidade de um clube como este em um ou dois jogadores. Somos treinadores de equipa grande e todos os jogadores aqui são jogadores de equipa grande. Todos têm de assumir responsabilidades. Se queremos ser equipa grande temos de nos ajudar uns aos outros", afirmou o técnico leonino.

Silas revelou ainda o que disse a Pedro Mendes, jovem avançado que voltou a ser opção na Liga Europa, frente ao Rosenborg: "O Pedro Mendes teve uma entrada muito boa, acho que é normal nele. Ele fez aquilo que que eu estava à espera que fizesse, mas mesmo que não tivesse rendido eu ia acreditar muito nele na mesma. Foi isso que lhe disse: "Pedro, nada de estares ansioso, não esperamos que resolvas, esperamos que dês o teu contributo e se correr mal vais ter mais oportunidades'.Sei que há situações que mexem com o nosso rendimento. Disse-lhe também: "Não vais errar mais passes que eu, não vais cometer mais erros do que eu, joguei 30 anos e cometi muitos erros e houve gente que me voltou a dar oportunidades". É isso que digo ao Pedro e a todos da formação."

O treinador confessou que muito do trabalho tem sido psicológico e físico. "Grande parte do nosso trabalho tem sido psicológico, não temos tido muito tempo para trabalhar em campo com a equipa toda. Isto sendo que as vitórias são o melhor remédio para isso e em quatro jogos temos três vitórias. Temos vindo a trabalhar pouco a pouco e notamos melhorias muito importantes mas não podemos separar as coisas: o aspeto psicológico não é mais importante do que os outros, todos juntos formam o jogador e a equipa. As vitórias dão-nos força anímica diferente. Mesmo preparar jogos em cima de vitórias é diferente", admitiu

O tempo de trabalho não tem sido muito. "Mesmo se quisesse fazer grandes alterações, tenho pouco tempo de trabalho. Pouco a pouco vamos melhorando, disso não tenho dúvidas. Contra o LASK tivemos 10 tentativas de golo, neste com o Rosenborg 19. Estamos muito melhores a nível ofensivo. O jogo com o Alverca foi o nosso melhor jogo a nível ofensivo, 22 remates. Mas vamos precisar de mais tempo. [No Belenenses] Tínhamos semanas normais de trabalho, algo que aqui não temos, e ainda bem."

O próximo jogo é com o Vitória de Guimarães."Conheço muito bem o Vitória, já nos defrontámos várias vezes. Fez um grande jogo e não merecia ter perdido. Teve até mais remates do que o Arsenal e falamos de uma das melhor equipas da Premier League. Vem tentar fazer um jogo similar ao que fez no Emirates. Também os conhecemos bem, tanto os jogadores como o treinador. Não vamos jogar às escuras. Tem três vitórias consecutivas na Liga, um plantel recheado de bons valores. Quase nunca apresenta o mesmo onze, porque tem muitas soluções. Vai ser um dos jogos mais difíceis que vamos ter nos próximos tempos", reconheceu Silas.

Ivo Vieira: "O futebol português está um pouco fustigado pelo resultado imediato"

Já o treinador do Vitória de Guimarães, Ivo Vieira, está a consciente da dificuldade do jogo com o Sporting."Estamos conscientes que vamos ter uma tarefa difícil. O Sporting vai criar-nos dificuldades a jogar na sua casa, mas acreditamos muito naquilo que fazemos e vamos manter a nossa ideia de jogo", sublinhou, acrescentando que o objetivo passa por "chegar à baliza do Sporting".

Em conferência de imprensa num hotel de Lisboa, onde a comitiva do Vitória de Guimarães está instalada, Ivo Vieira revelou que não ficou satisfeito com a derrota com o Arsenal, por 3-2, na Liga Europa, com a vitória a fugir nos últimos minutos, mas elogiou o desempenho dos jogadores. "Não estamos satisfeitos com o resultado, mas estamos conscientes da qualidade e do empenho que tivemos no jogo. Estivemos à altura de um desafio enorme, os jogadores tiveram um comportamento fantástico, mas o resultado não foi o que pretendíamos. O Vitória vai procurar, em todos os campos, jogar para ganhar e atacar a baliza do adversário", afirmou.

O técnico madeirense realçou o apoio num futebol de qualidade, independentemente do resultado, ao invés de um "futebol pobre", mas com resultados. "Se olharmos para o futebol de forma redutora, muitos defendem que mais vale ganhar e o futebol ser muito pobre em termos de qualidade. Eu defendo o contrário. Aquilo que fizemos valorizou o espetáculo, vai acrescentar muito aos jogadores e chama pessoas ao estádio. Só assim é que vamos ser mais competentes e fortes a todos os níveis", afirmou.

Ivo Vieira, de 43 anos, confessou não olhar muito para a tabela classificativa numa fase tão precoce da temporada, criticando o futebol português por não dar espaço aos treinadores para desenvolver os seus modelos de jogo.

"O futebol português está um pouco fustigado pelo resultado imediato, muitas vezes não se dá espaço aos treinadores para desempenhar as suas ideias. Não me diz muita coisa estar no lugar em que estamos e com mais um ponto que o Sporting. É fundamental acabarmos num bom lugar, mas é essencial a equipa ter um cariz ofensivo e uma ideia de jogo bem definida", concluiu.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG