Sadio Mané: "Para que quero dez Ferraris e dois aviões? Passei fome"

Internacional senegalês não esquece os tempos de pobreza durante a infância e diz que prefere "construir escolas e dar comida ou roupa às pessoas pobres" do que esbanjar dinheiro

Sadio Mané aufere cerca de 150 mil libras por semana (cerca de 170 mil euros) no Liverpool, mas não esquece os tempos de pobreza durante infância e utiliza essa experiência de vida na gestão do seu dinheiro.

"Para que quero dez Ferraris, 20 relógios com diamantes e dois aviões? O que faria isso pelo mundo? Eu passei fome, trabalhei no campo, joguei descalço e não fui à escola. Hoje posso ajudar as pessoas. Prefiro construir escolas e dar comida ou roupa às pessoas pobres", afirmou recentemente o internacional senegalês à estação televisiva TeleDakar, do seu país.

"Construímos escolas, um estádio, damos roupas, sapatos, comida às pessoas que vivem em pobreza extrema. Dou 70 euros por mês a todas as pessoas de uma região extremamente pobre do Senegal, o que ajuda na economia familiar", explicou Sadio Mané.

"Não preciso de exibir carros de luxo, casas luxuosas, viagens e até aviões. Prefiro que a minha gente receba um bocadinho do que a vida me deu", acrescentou o atacante de 27 anos.

Exclusivos