Rúben Amorim e a discusão entre Acuña e Jovane: "Já vivi situações muito piores"

O treinador do Sporting desvalorizou o desentendimento entre os dois jogadores no final do empate com o Moreirense e recordou os seus tempos de futebolista.

Rúben Amorim, treinador do Sporting, desvalorizou esta quinta-feira o desentendimento entre Marcos Acuña e Jovane Cabral no final do jogo de segunda-feira com o Moreirense, que terminou empatado 0-0.

"Não foi nada demais, nem chegou a ser uma discussão. Foi uma troca de ideias, normais em todos os clubes. É bom sinal, mas tudo depende das vitórias ou derrotas. Se ganharmos vão dizer que os jogadores querem é ganhar, se perdermos vão dizer que o ambiente não é o melhor. Temos é de nos focar no jogo, pois com as vitórias tudo desaparece e tudo se torna secundário", justificou.

O técnico leonino recordou situações semelhantes nos seus tempos de jogador. "Já vivi situações muito piores com equipas que ganharam vários títulos. Imagino equipas grandes com Paulinho Santos, Jorge Costa, Sá Pinto, Pedro Barbosa... imagino as confusões daqueles balneários", atirou entre risos. "Já vivi situações bem piores e aquilo nem chegou a ser uma situação, foi perfeitamente normal", reforçou.

Apesar de a conferência de imprensa servir para abordar o jogo desta sexta-feira (19.15 horas), em Alvalade, com o Santa Clara, a partida de Moreira de Cónegos voltou a estar no centro das atenções. Rúben Amorim foi questionado sobre se a sua equipa arriscou pouco jogando contra dez deixou uma certeza: "Já vi muitas equipas a jogar com mais um e não abdicam dos quatros defesas. Nós tínhamos um lateral, que era o Marcos Acuña, que já foi extremo, e dois defesas. Não vejo as coisas por aí, não vou mudar a minha maneira de ser. A melhor coisa do jogo foi o facto de jogarmos com mais um e não abdicarmos da nossa ideia de jogo. Não atacámos à toa."

Rúben Amorim falou ainda das queixas do Sporting em relação a alegados erros de arbitragem. "O Sporting fez bem em dar a opinião sobre as coisas, pois aqueles erros tiveram influência no resultado embora não tenham tido influência na nossa exibição", frisou.

Sobre o Santa Clara, o treinador do Sporting assume que se trata de "equipa que fez uma época bastante interessante" e que é "muito forte nas transições", razão pela qual "será um bom teste" à sua equipa, "nomeadamente nas bolas paradas".

No entanto, Amorim recusou a ideia de que esta partida seja um teste para o jogo seguinte, o clássico com o FC Porto, no Estádio do Dragão. "Nada disso. Jogamos um jogo de cada vez. Não vou testar nada com o Santa Clara, pois se nos distrairmos não teremos qualquer hipótese", disse, deixando um recado: "Temos que crescer como equipa, fizemos a pior primeira parte desde que cheguei. Quero muitos jogos para poder evoluir e quem estiver melhor vai jogar."

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG