Pilotos da F1 protestam contra racismo antes de prova vencida por Hamilton

Vencedor da prova Lewis Hamilton, que fez a última volta com o pneu dianteiro direito furado, criticou postura da organização da modalidade e de alguns colegas, por não se insurgirem mais contra o racismo.

Os pilotos da Fórmula 1 participantes do Grande Prémio da Inglaterra, voltaram a fazer neste domingo um gesto contra o racismo, antes do início da corrida. Uma prova marcada pela vitória do piloto britânico Lewis Hamilton (Mercedes), que soma o seu sétimo título e alarga a vantagem no Mundial de pilotos.

Todos vestiam uma camisa com as palavras "End Racism" ("Fim do Racismo"), exceto Lewis Hamilton, o único piloto negro na Fórmula 1, que usava uma com o slogan "Black Lives Matter" ("Vidas Negras Importam").

O piloto inglês, já por seis vezes campeão mundial, criticou os organizadores da Fórmula 1 e companheiros na principal modalidade do automobilismo por não se envolverem totalmente contra o racismo. Recentemente, lamentou que, durante o Grande Prémio da Hungria há duas semanas, nenhum ato ou gesto tenha sido organizado sobre o tema.

O britânico, que fez a última volta com o pneu dianteiro direito furado, deixou o holandês Max Verstappen (Red Bull) a 5,856 segundos e o monegasco Charles Leclerc (Ferrari) a 18,474 segundos, conquistando a 87.ª vitória da carreira, estando a quatro do recorde do alemão Michael Schumacher.

Após conversas entre os organizadores e o piloto francês Romain Grosjean, presidente da Associação de Pilotos do Grande Prémio, foi decidido reservar alguns minutos antes do início da corrida deste domingo em Silverstone, como um gesto conjunto dos vinte pilotos. Nem todos se ajoelharam, alguns preferiram permanecer em pé durante o ato.

O movimento "Black Lives Matter" se espalhou por todo o mundo após a morte em maio passado de George Floyd, um cidadão negro de Minneapolis, assassinado durante um abordagem policial.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG