"Nada a esconder". Médico de Maradona apresenta-se voluntariamente às autoridades judiciais

A casa e o consultório de Leopoldo Luque foram alvo de buscas, depois de a família de Diego Maradona querer esclarecer que tipo de tratamento o antigo futebolista recebeu nos seus últimos dias.

O médico Leopoldo Luque apresentou-se esta segunda-feira voluntariamente às autoridades judiciais para explicar as circunstâncias em que ocorreu a morte do ex-futebolista Diego Maradona, depois de a sua casa e o seu consultório terem sido alvo de buscas.

Luque, que esteve acompanhado pelo seu advogado, deu explicações aos responsáveis do Ministério Público que estão a investigar as circunstâncias da morte de Maradona, ocorrida na quarta-feira, depois de a família ter admitido que queria esclarecer que tipo de tratamento o antigo futebolista recebeu desde a operação à cabeça até ao dia da morte.

Júlio Rivas, o advogado que acompanhou Luque, garantiu que o médico se colocou à disposição das autoridades, depois de no domingo se ter defendido de acusações de negligência na morte do 'astro', dizendo que o "amava", que está "à disposição da justiça" e que não tem "nada a esconder".

"Houve uma informação do Ministério Público a garantir que não havia qualquer acusação formal, mas a verdade é que foram feitas buscas à casa e ao consultório de Luque", afirmou o advogado, garantindo que o neurocirurgião "era amigo de Maradona".

"Os que estavam ao lado de Maradona sabem bem o que se passou e qual foi a intervenção de Luque. Operou-o e correu bem", disse o advogado, acrescentando: "Não houve internamento domiciliário, a decisão foi de Maradona, estava lúcido e podia decidir o que preferia".

O advogado de Maradona, Matias Morla, publicou hoje um tweet no qual defendeu o médico: "Entendo e compartilho o trabalho da justiça, mas sei que o doutor Luque, tudo o que fez pela saúde de Diego e como cuidou dele e o acompanhou como ele queria. Diego amava-o e, como seu amigo, não o vou deixar só".

Na quinta-feira, Morla pediu uma investigação à morte do antigo futebolista, de 60 anos, por considerar "inexplicável que durante 12 horas" Maradona "não tenha tido atenção nem controlo por parte dos profissionais de saúde que dele cuidavam".

No início do mês, 'El Pibe' deu entrada num hospital de Buenos Aires, anémico, desidratado e deprimido, e acabou por ser operado, com sucesso, a um hematoma subdural, que tinha sido detetado durante um exame de rotina.

Desde que recebeu alta do hospital, em 11 de novembro, Maradona esteve a residir na sua vivenda em Tigre, na província de Buenos Aires, onde acabou por morrer na quarta-feira, após sofrer uma paragem cardíaca.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG