Verstappen vence no Brasil. Hamilton foi penalizado e deu pódio a Sainz

Piloto da Red Bull bateu o francês Pierre Gasly, da Toro Rosso, deixando o britânico Lewis Hamilton, que já venceu o campeonato ao volante de um Mercedes, em terceiro lugar. Mas uma penalização de cinco segundos fê-lo cair para sétimo.

O holandês Max Verstappen (Red Bull) venceu hoje o Grande Prémio do Brasil de Fórmula 1, ao bater o francês Pierre Gasly (Toro Rosso), por 6,077 segundos, e o britânico Lewis Hamilton (Mercedes), por 6,139. Mas uma penalização de cinco segundos sobre o já campeão mundial fê-lo cair do pódio, para onde entrou o espanhol Carlos Sainz (McLaren-Renault), que tinha partido do último lugar da grelha de partida.

Verstappen somou a terceira vitória em 2019, depois de Áustria e Alemanha, e a primeira saindo da 'pole', numa corrida marcada pelo acidente entre os dois Ferrari, do alemão Sebastian Vettel e do monegasco Charles Leclerc a cinco voltas do fim, que colocou os dois carros italianos fora de prova.

Com este resultado, o piloto holandês sobe ao terceiro lugar de um campeonato já arrebatado por Lewis Hamilton e pela Mercedes, com Leclerc a cair para o quarto lugar.

Hamilton foi penalizado pelos comissários por causa de uma manobra demasiado agressiva sobre o tailandês Alexander Albon (Red Bull) a poucas voltas do fim da prova. Albon acabou por fazer um pião quando era segundo classificado.

Hamilton pediu desculpas pelo toque antes de subir ao pódio. "Foi culpa minha", assumiu o campeão mundial. "Sei que o Lewis [Hamilton] não fez de propósito. Não estou zangado com ele", disse Albon.

Com a penalização a Hamilton, o terceiro lugar coube então ao espanhol Carlos Sainz, que por causa de uma avaria nas qualificações tinha partido do último lugar. É o primeiro pódio da escuderia britânica desde 2014.

A prova brasileira teve um final de 'cortar a respiração', primeiro com o motor do Mercedes do finlandês Valtteri Bottas partido na volta 53, que obrigou à entrada do safety car, para reagrupar os pilotos a 18 voltas do final.

Verstappen aproveitou para trocar para pneus macios, deixando Hamilton na liderança com borrachas 11 voltas mais gastas.

O "golpe de teatro" aconteceu a cinco voltas do final da corrida, com um incidente entre os dois Ferrari, que acabaram fora de prova, com os pneus furados.

O monegasco Charles Leclerc ultrapassou o alemão Sebastian Vettel, que procurou devolver a manobra duas curvas mais tarde, usando o DRS (sistema de redução de arrasto). Ao passar pelo companheiro de equipa, fletiu para o interior da pista e acertou com a roda traseira esquerda no pneu dianteiro direito de Leclerc.

"Estou muito desapontado. Deixei-lhe um pouco de espaço pelo exterior, mantive a minha linha e tivemos um pequeno contacto", explicou Leclerc. Vettel revelou apenas ter "pena pela equipa". Os dois acabaram por ser chamados aos comissários, que ainda investigam o incidente.

Este acidente provocou nova entrada do safety car, que voltou a reagrupar o pelotão. No recomeço, Verstappen passou Hamilton, que ainda foi ultrapassado por Albon. Na luta entre os dois, acabaram por tocar-se, aproveitando o francês Pierre Gasly para saltar para segundo.

Verstappen cortaria a meta após 1:33.14,678 horas de corrida. "Era a minha última hipótese e tinha de a aproveitar, pois sabia que tinha boa velocidade de ponta", disse o holandês, após conquistar a oitava vitória da carreira.

Com estes resultados, Lewis Hamilton segue na frente, com 387 pontos, tendo já garantido matematicamente o sexto título da carreira. Bottas mantém o segundo lugar, com 314 pontos, enquanto Verstappen sobe a terceiro, com 260.

Leclerc é quarto, com 249, mais 19 do que Vettel, que é quinto.

O campeonato encerra dentro de duas semanas, em Abu Dhabi.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG