Marinhense diz-se perseguido pela PSP e anuncia jogos à porta fechada até final da época

Medida do clube do Campeonato de Portugal prende-se com decisões policiais do comando da Marinha Grande.

Sem adeptos até final da época! O Atlético Clube Marinhense ameaça jogar todas as partidas, em casa, até final da época à porta fechada. Em comunicado, o clube do Campeonato de Portugal explicou que a decisão foi tomada "em virtude da perseguição de que está a ser alvo por parte do Comando da PSP da Marinha Grande".

"Na presente data, "escalou" o Sr. Comandante da PSP da Marinha Grande, dois agentes à paisana, para que, misturando a qualidade de sócios com a de agentes da autoridade, procedessem a uma série de fiscalizações e apreensões "ao(s) bar(es)" desta Instituição, destacando-se que as mesmas foram devidamente preparadas com o claro intuito de ferir a Instituição, pois já haviam, inclusivamente, sido tentadas na passada semana", pode ler-se no comunicado.

O Marinhense faz parte da Série C do Campeonato de Portugal e ocupa a 13.ª posição.

Leia o comunicado

"Com muito pesar, vem a Direcção do Atlético Clube Marinhense informar que, futuramente, todas as partidas de futebol disputadas por esta Instituição na qualidade de clube visitado, serão disputadas à porta fechada, sem acesso de nenhum sócio, adepto ou simpatizante, com claro prejuízo para todos os que amam esta modalidade/clube.
Mais se informa que tal medida é tomada, em virtude da "perseguição" que o ACM está a ser alvo, nomeadamente, pelo Comando da PSP da Marinha Grande.
Na presente data, "escalou" o Sr. Comandante da PSP da Marinha Grande, dois agentes à paisana, para que, misturando a qualidade de sócios com a de agentes da autoridade, procedessem a uma série de fiscalizações e apreensões "ao(s) bar(es)" desta Instituição, destacando-se que as mesmas foram devidamente preparadas com o claro intuito de ferir a Instituição, pois já haviam, inclusivamente, sido tentadas na passada semana.
Face a tais actuações, sabendo que o ACM, em virtude da débil situação económica, não pode continuar a ser alvo constante/foco da PSP, tomou esta medida de forma a acautelar a viabilidade económico-social da Instituição, visando garantir que nenhum outro comportamento possa ser sancionado.
Ressalva-se que, o ACM não pretende de forma alguma condicionar a actividade policial nos termos da lei, todavia, não pode igualmente consentir/permitir um extravasar da mesma.

Marinha Grande, 13 de Outubro de 2019"

Exclusivos