Luiz Phellype ainda acredita no título nacional

Avançado do Sporting deu uma entrevista à Sport TV

Luiz Phellype ainda acredita que o Sporting pode ser campeão nacional esta temporada. A equipa leonina ocupa a 6ª posição do campeonato, a oito pontos do líder Famalicão, mas, para o avançado nada está perdido. "Ainda é cedo para se dizer que pode ou não ser campeão. Vamos trabalhar jogo a jogo, acreditamos nisso e temos aceso o sonho de conseguir esse título", disse o brasileiro em entrevista à Sport TV.

Já quanto há Taça de Portugal - leões vão até Alverca, jogar com a equipa do Campeonato de Portugal - é um troféu para revalidar: "O Sporting luta para conquistar tudo e, por isso, queremos revalidar esse título. Mas todos sabemos que muitas vezes as equipas mais pequenas dão muito trabalho e até ganham às equipas grandes. Não há jogos fáceis, temos de estar atentos, concentrados e dar o nosso melhor para passar à fase seguinte."

Para Luiz Phellype o facto de Silas ter terminado a carreira de jogador há pouco tempo ajuda nesta fase conturbada em que o Sporting está. "Silas percebe o momento por que estávamos a passar quando chegou. Sabia que era difícil, já passou por vários momentos assim, e um treinador, quando percebe o que se está a passar, consegue encontrar respostas de uma forma mais rápida", afirmou o jogador brasileiro.

Silas é o terceiro treinador da época, mas, segundo o avançado, "as mudanças fazem parte do futebol" e "acontecem em todo em todo o mundo, em todos os clubes". "Claro que cada treinador tem a sua forma de ver as coisas, as suas ideias e nós temos de nos adaptar e fazer o que eles pedem", afirmou Luiz Phellype, acreditando que as coisas vão ficar mais fáceis quando a equipa perceber o que o treinador quer.

Luiz Phellype é o único ponta de lança inscrito no plantel principal do Sporting, mas isso não lhe garante o lugar ou lhe dá " pressão extra". "Jogar no Sporting já é pressão suficiente (...) Eu sou o único ponta de lança de raiz, mas há outros jogadores que podem fazer essa posição, então não me sinto pressionado. Pelo contrário, tento dar o meu melhor e quem entrar também depois consegue fazer as coisas bem. Acho que estamos bem servido", defendeu o brasileiro.

Exclusivos