Lage deu lição ao professor e Pizzi foi uma grande ajuda

No reencontro de Lage com Carvalhal, o aluno levou a melhor num jogo em que o Benfica sufocou o Rio Ave na segunda parte. Rúben Dias e Pizzi marcaram os golos que valem a liderança isolada.

O Benfica recebeu e venceu neste sábado o Rio Ave, por 2-0, resultado que lhe permite continuar na liderança da I Liga, independentemente do que o Famalicão e o FC Porto fizerem nos jogos deste domingo. Foi a sétima vitória consecutiva no campeonato, o quarto jogo sem sofrer golos e uma segunda parte provavelmente com os melhores apontamentos de futebol desta temporada

O jogo tinha um lado emocional, pois os dois bancos estavam unidos por grandes laços de amizade e até de sangue: o Benfica orientado por Bruno Lage, o Rio Ave por Carlos Carvalhal e Luís Nascimento, respetivamente o treinador/professor que ajudou a projetar Lage e o irmão do agora treinador do Benfica, que trocaram abraços no início e no final do jogo. Mas no final, e apesar da boa entrada em jogo dos vilacondenses, é caso para dizer que o aluno deu uma lição ao professor.

Havia ainda mais uma curiosidade. Foi precisamente frente ao Rio Ave, em janeiro, que Bruno Lage fez a sua estreia como treinador principal do Benfica (rendeu Rui Vitória), numa partida em que as águias estiveram a perder por 0-2 na Luz, e deram a volta ao resultado (4-2). Um jogo que deu início a uma caminhada triunfante do clube, que até ao final do campeonato não perdeu mais nenhum jogo e sagrou-se campeão nacional.

O Benfica de Lage, que entrou em campo com três alterações relativamente ao último jogo (entraram Ferro, Florentino e Pizzi e saíram Jardel, Gedson e Samaris), mas com Chiquinho e Vinícius a manterem a titularidade no ataque, não esteve com sentimentalismos. Marcou um golo na primeira e outro logo a abrir a segunda, período onde praticou o melhor futebol.

Os encarnados sentiram algumas dificuldades de início, perante um Rio Ave que saía a jogar com bola, bem organizado e com os dois laterais a subirem, e que ao contrário da maioria das equipas que visitam a Luz não apostava nos contra-ataques. Foi assim que Gabrielzinho criou a primeira situação perigo, valendo a antecipação de Vlachodimos logo aos 7'. Respondeu o Benfica com um remate de Cervi que Kieszek defendeu com dificuldades (9') e voltou a assustar o Rio Ave com um remate por cima de Tarantini (11').

A partir dos 25 minutos houve mais Benfica. A equipa começou a conseguir soltar-se, a pressionar mais à frente e, aos 31', Rúben Dias abriu o marcador, de cabeça, a responder a um canto de Pizzi (mais um golo de um central e na sequência de uma bola parada).

O central comemorou assim da melhor maneira o seu jogo 100 com a camisola dos encarnados (o segundo mais novo de sempre a consegui-lo, a seguir a Di María), num lance que foi antecedido de uma jogada polémica, pois Matheus Reis deu a sensação de ter cometido penálti sobre André Almeida com um empurrão na área. Mas Carlos Xistra, após consultar o VAR, nada assinalou.

Antes do intervalo, um grande lance de Vinícius por pouco não originou o segundo golo do Benfica. O brasileiro, com uma rotação, fugiu a dois jogadores do Rio Ave e rematou com força de longe, mas a bola saiu um pouco por cima.

Os vilacondenses nunca se esconderam e também tiveram uma soberana oportunidade para igualar a partida (40'). Mas o remate de Nuno Santos (foi um quebra cabeças para André Almeida no lado esquerdo) bateu no poste. O primeiro tempo terminou com sete remates do Benfica contra dois do Rio Ave e com mais posse de bola das águias (56% contra 44%).

Golo a abrir e sufoco

A segunda parte começou com uma alteração no Rio Ave, com Carvalhal a apostar na entrada de Ronan (tinha marcado em Alvalade contra o Sporting) para o lugar de Taremi. Mas tal como no jogo com o Portimonense, o Benfica entrou a jogar bem e a marcar. Boa jogada no lado esquerdo do ataque, Cervi fez o cruzamento e Pizzi, na área, tirou dois jogadores do Rio Ave do caminho com uma simulação e fez de pé direito o segundo do Benfica.

O marcador pesou nos jogadores do Rio Ave, perante um Benfica a pressionar alto e a controlar bem o jogo, e que no espaço de um minuto podia ter ampliado a vantagem. Primeiro por Rúben Dias (57') e depois por Cervi (58'). A pressão da equipa de Bruno Lage chegou a ser sufocante em determinados momentos e as jogadas de perigo junto da baliza de Kieszek sucediam-se.

Depois Lage começou a rodar a equipa, talvez já a pensar no importante jogo de terça-feira com O. Lyon, para a Liga dos Campeões. Primeiro tirou Grimlado aos 77' (entrou Tomás Tavares) e depois lançou Gedson Fernandes para o lugar de Chiquinho (80'). E aos 82', Cervi esteve perto do terceiro, mas o guarda-redes do Rio Ave travou bem o remate. Houve ainda tempo para a entrada de Seferovic, aos 87', para o lugar do lutador Vinícius. Mas não houve mais golos na Luz, apesar de muitas ameaças, uma delas por Gedson já nos descontos.

A FIGURA: PIZZI

Uma assistência e um golo. Pizzi voltou ao onze depois de ter começado no banco frente ao Portimonense e acabou por ser determinante no triunfo. Foi o médio que apontou o canto que permitiu a Rúben Dias (outra boa exibição) fazer de cabeça o primeiro golo antes do intervalo. E depois teve um lance de génio quase logo no início do segundo tempo, ao surgir na área e, com uma simulação perfeita, tirar dois adversários do caminho e marcar o segundo do Benfica. Além disso esteve em bom plano nos lances de ataque protagonizados pelos encarnados na segunda parte, período em que as águias chegaram a sufocar o adversário.

VEJA OS GOLOS

FICHA DO JOGO

Estádio da Luz, em Lisboa.

Benfica-Rio Ave, 2-0.

Ao intervalo: 1-0.

Marcadores: 1-0, Rúben Dias, 31 minutos; 2-0, Pizzi, 51.

Benfica: Vlachodimos, André Almeida, Rúben Dias, Ferro, Grimaldo (Tomás Tavares, 77), Florentino Luís, Gabriel, Pizzi, Cervi, Chiquinho (Gedson Fernandes, 81) e Carlos Vinicius (Seferovic, 86).

Treinador: Bruno Lage.

Rio Ave: Kieszek, Nélson Monte, Borevkovic, Aderlan Santos (Messias, 72), Matheus Reis, Filipe Augusto, Tarantini, Nuno Santos, Nicola Jambor, Gabrielzinho (Carlos Mané, 54) e Mehdi Taremi (Ronan, 46).

Treinador: Carlos Carvalhal.

Árbitro: Carlos Xistra (AF Castelo Branco).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Cervi (29), Aderlan Santos (35), Nuno Santos (45+1) e Tarantini (63).

Assistência: 53.579 espetadores.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG