Jorge Jesus: "Ainda quero conquistar a Liga dos Campeões e juntá-la à Libertadores"

O treinador do Flamengo revelou que no dia em que comunicou à sua equipa técnica para fazerem as malas que iam trabalhar para o Brasil, disse-lhes que chegariam à final da Taça Libertadores. O jogo com o River Plate é já este sábado, em Lima, e o técnico português até revelou onze que vai apresentar, numa resposta ao seu homólogo argentino.

Foi um Jorge Jesus confiante e com tiradas bem ao seu jeito, que esteve presente na conferência de imprensa de antevisão à final da Taça Libertadores, entre o Flamengo e o River Plate, marcada para este sábado às 20.00 horas, em Lima, capital do Peru.

E a primeira pergunta foi sobre se quando chegou ao Brasil sonhava em chegar a esta final. "No dia em que decidi vir treinar o Flamengo, no almoço que fiz com a minha equipa técnica, disse-lhes para prepararem as malas que iamos trabalhar para o Brasil e iamos chegar à final da Libertadores", atirou, garantindo que, apesar da responsabilidade de o Flamengo não vencer este troféu há 38 anos, o adversário "é forte, tem três presenças na final nos últimos anos, mas isso não assusta" a sua equipa.

Jesus foi desafiado esclarecer se uma vitória na Libertadores compensaria o facto de nunca ter ganho a Liga dos Campeões, que sempre assumiu ser o seu sonho. O técnioc português admitiu que "a responsabilidade e o prestígio é um pouco semelhante à Champions", mas preferiu apontar para os adeptos do Flamengo: "É uma nação atrás de um sonho, dos torcedores do Flamengo, mas acho que também de quase todo o Brasil." Ainda assim, assumiu que a sua equipa irá ficar imune à emoção que se sente em torno desta partida: "A nossa forma de trabalhar é com prazer e paixão e não com emoção porque isso faz as equipas ficarem atrofiadas. O que nos move é a nossa segurança e confiança para o jogo."

Ainda assim, destacou que a Champions e a Libertadores "são os dois troféus máximos de clubes" e como tal deixou claro que pensa "ainda conquistar a Liga dos Campeões e juntá-la à Libertadores".

Jorge Jesus admitiu ainda que "há muitos aspetos no jogo ofensivo que são parecidos no Flamengo e no River Plate", tal como o treinador argentino Marcelo Gallardo tinha dito, mas deixou outra certeza: "São completamente opostas no jogo defensivo. Não têm nada a ver." O técnico do clube do Buenos Aires tinha, na sua conferência de imprensa, anunciado o onze que irá iniciar a final, e Jesus quis mostrar que não tem medo e revelou também o onze: "O Gallardo está na terceira final consecutiva e sabe que não é numa final que uma equipa vai mudar a sua ideia. Por isso, se não acontecer nada até lá, a nossa equipa será a mesma que tem vindo a jogar, com Diego Lopes; Rafinha, Rodrigo Caio, Pablo Marí, Filipe Luís; William Arão, Gerson; Everton Ribeiro, Gabigol, Bruno Henrique e De Arrascaeta."

O treinador português reforçou a ideia de que "o Flamengo é o maior clube do mundo em termos de adeptos", mas sempre foi dizendo que "desportivamente é o Real Madrid, porque é quem ganha títulos".

E é com uma grande massa de adeptos por trás que o Flamengo vai entrar no Estádio Monumental de Lima, mas ainda assim, apesar de admitir que "nas grandes decisões há mais emoção e ansiedade", garante que o River Plate não tem vantagem por ter mais experiência em finais da Libertadores. "As equipas mais experientes são aquelas que passaram por estas situações mais do que uma vez, como é o caso do River, mas a componente emocional também se trabalha, e antes da emoção há o prazer de jogar bem e à Flamengo, e é isso que faz com que a emoção não nos atrapalhe."

Exclusivos