Messi chega à sexta Bola de Ouro. Ronaldo obrigado a superar-se em 2020

O argentino assumiu o desejo de voltar ao palco no próximo ano, apesar de admitir que a reforma se aproxima. Cristiano Ronaldo ficou em terceiro e terá de fazer um grande ano de 2020 para voltar a apanhar o rival no número de Bolas de Ouro. São 13 anos de domínio dos dois futebolistas que marcam uma era.

E vão seis Bolas de Ouro para Lionel Messi. Aos 32 anos, continua no topo do futebol mundial, palco que desde 2007 tem dividido com Cristiano Ronaldo, que desta vez ficou pela primeira vez no terceiro lugar. Aliás, só em 2010 e 2018 os dois futebolistas não apareceram juntos no pódio deste prestigiado prémio atribuído desde 1956 pela revista France Football, pois o português foi sexto classificado em 2010 e o argentino foi quinto no ano passado.

Ou seja, nos últimos 13 anos, só o brasileiro Kaká (2007) e o croata Luka Modric (2018) conseguiram romper com a ditadura das duas estrelas que têm imposto uma verdadeira ditadura no futebol mundial. E, desta vez, nem a conquista da Liga dos Campeões por parte do Liverpool derrubou este domínio, apesar de ter colocado cinco jogadores nos primeiros sete lugares: o defesa Virgil van Dijk em segundo, Sadio Mané em quarto, Mohamed Salah em quinto e Alisson Becker em sexto.

O triunfo de Messi deixa agora para trás Cristiano Ronaldo, que voltou a não comparecer na cerimónia. O português da Juventus mantém-se com cinco Bolas de Ouro no currículo, mas já por mais de uma vez admitiu que o seu objetivo é chegar às sete, que é afinal o número da sua camisola. Aos 34 anos, é um enorme desafio como tantos que o agora jogador da Juventus já enfrentou.

A distinção desta segunda-feira faz que o Barcelona passe a ter 12 Bolas de Ouro no seu currículo, sendo metade delas precisamente de Messi, contribuindo Johan Cruijff com duas, Luis Suárez, Hristo Stoitchkov, Rivaldo e Ronaldinho Gaúcho com uma cada. Neste duelo de clubes, o Real Madrid vê-se assim ultrapassado pelo grande rival, uma vez que continua com 11 troféus no currículo, depois de ter vencido nos três últimos anos: duas por Ronaldo e uma por Modric.

Mas como se justifica mais esta Bola de Ouro para Messi? Na verdade, o craque argentino teve um ano de 2019 a grande nível. É certo que em termos coletivos apenas conquistou o título de campeão espanhol com o Barça, mas a nível individual sagrou-se melhor marcador da Liga dos Campeões, com 12 golos, e da Liga espanhola, com 36 remates certeiros. E no ano civil de 2019 faturou por 42 vezes em jogos oficiais, uma marca que impressiona.

No momento de subir ao palco do Théâtre du Châtelet, em Paris, para receber o troféu, Messi recuou a 2009, quando tinha apenas 22 anos e conquistou a sua primeira Bola de Ouro. "Viajei para Paris com o meu irmão e para mim era impensável ganhar. Agora, estou aqui com a minha mulher e os meus três filhos, que me acompanharam, e apenas quero desfrutar do momento e do futebol", disse o número 10 do Barcelona, que aproveitou ainda para agradecer a quem votou nele e aos seus companheiros, "que contribuíram muito" para este prémio.

Em mais este dia de glória, Messi está consciente de que não lhe restam muitos mais momentos como este. "Estou consciente da idade que tenho, mas espero estar aqui de novo no próximo ano. Contudo, o tempo voa, ainda me faltam mais alguns anos no futebol, mas a minha retirada aproxima-se, por isso quero continuar a desfrutar daquilo que o futebol me dá", acrescentou.

O argentino assumiu que tenta superar-se "todos os anos". "Nunca me conformo. Os prémios individuais são muito bonitos, mas o mais importante são os coletivos", frisou, deixando ainda claro o "orgulho" que sente "por fazer parte da história do Barcelona, a melhor equipa do mundo".

Certo é que a história da Bola de Ouro ficará eternamente marcada por Messi, mas também por Cristiano Ronaldo. A prova disso é aquilo que ambos conseguiram desde 2007, ou seja, nos últimos 13 anos. O argentino contabiliza seis Bolas de Ouro, cinco segundos lugares e um terceiro; enquanto o português soma cinco troféus, seis segundos lugares e um terceiro.

Bernardo no top 10 e a estreia de Félix

Esta gala do France Football foi também especial para outros dois portugueses. Aos 25 anos, Bernardo Silva entrou pela primeira vez no top 10, classificando-se na nona posição, que é um prémio ao excelente ano que protagonizou, em que foi considerado o melhor futebolista da Liga das Nações, que Portugal conquistou, além de ter sido um dos mais influentes na conquista do título de campeão inglês por parte do Manchester City, que lhe valeu muitos elogios por parte do seu treinador, Pep Guardiola.

Mas também João Félix deverá estar orgulhoso pelo 28.º lugar, que partilhou com o brasileiro Marquinhos (Paris Saint-Germain) e o holandês Donny van de Beek (Ajax). O avançado que o Atlético de Madrid contratou ao Benfica por 126 milhões de euros entra na restrita lista de melhores do mundo naquele que foi o seu primeiro ano ao mais alto nível como profissional.

Félix foi ainda o terceiro mais votado para o prémio Raymond Kopa, que distinguiu o melhor futebolista com menos de 21 anos, sendo superado pelo defesa Matthis de Ligt, da Juventus, que sucedeu a Mbappé (vencedor em 2018), e ao inglês Jadon Sancho (Borussia Dortmund).

Alisson, o melhor guarda-redes do mundo

A revista France Football atribuiu ainda pela primeira vez outros dois prémios. O troféu Lev Yashin destinado ao melhor guarda-redes do mundo foi para o brasileiro Allison Becker, do Liverpool, que superou o alemão Marc-André ter Stegen (Barcelona) e o também brasileiro Ederson Moraes (Manchester City), que iniciou o seu percurso profissional em Portugal, onde representou Ribeirão, Rio Ave e Benfica.

Finalmente, a Bola de Ouro feminina foi para Megan Rapinoe, que em 2019 brilhou na conquista do título mundial por parte da seleção dos Estados Unidos, sucedendo à norueguesa Ada Hegerberg, vencedora em 2018. A inglesa Lucy Bronze ficou em segundo lugar, enquanto a americana Alex Morgan foi terceira classificada.

Eis a classificação completa da Bola de Ouro 2019:

1.º - LIONEL MESSI (Barcelona)
2.ª - Virgil van Dijk (Liverpool)
3.º - Cristiano Ronaldo (Juventus)
4.º - Sadio Mané (Liverpool)
5.º - Mohamed Salah (Liverpool)
6.º - Kylian Mbappé (PSG)
7.º - Alisson Becker (Liverpool)
8.º - Robert Lewandowski (Bayern Munique)
9.º - Bernardo Silva (Manchester City)
10.º - Riyad Mahrez (Manchester City)
11.º - Frenkie de Jong (Ajax/Barcelona)
12.º - Raheem Sterling (Manchester City)
13.º - Eden Hazard (Chelsea/Real Madrid)
14.º - Kevin de Bruyne (Manchester City)
15.º - Matthijs de Ligt (Ajax/Juventus)
16.º - Sergio Agüero (Manchester City)
17.º - Roberto Firmino (Liverpool)
18.º - Antoine Griezmann (At. Madrid/Barcelona)
19.º - Trent Alexander-Arnold (Liverpool)
20.º - Dusan Tadic (Ajax), Pierre-Emerick Aubameyang (Arsenal)
22.º - Heung-min Son (Tottenham)
23.º - Hugo Lloris (Tottenham)
24.º - Kalidou Koulibaly (Nápoles), Marc-André ter Stegen (Barcelona)
26.º - Giorgino Wijnaldum (Liverpool), Karim Benzema (Real Madrid)
28.º - João Félix (Benfica/At. Madrid), Marquinhos (PSG), Donny van de Beek (Ajax)

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...