Zverev vence Federer em dois sets e garante primeira final do ATP finals

Tenista alemão levou a melhor sobre o suíço nas meias finais do ATP World Tour Finals 2018, em Londres, pelos parciais de 7-5 e 7-6(5). Final será frente ao vencedor do duelo entre Djokovic e Kevin Anderson (jogam este sábado ás 20:00).

Desta vez Alexander Zverev levou a melhor sobre Roger Federer. Com uma exibição segura e determinada, o alemão venceu o tenista suíço, pelos parciais de 7-5 e 7-6(5), nas meias finais do ATP World Tour Finals 2018, em Londres.

Com este triunfo (o terceiro em seis encontros frente a Roger Federer, que também já tinha derrotado nas meias-finais de Halle 2016 e na final do Masters 1000 do Canadá em 2017) Alexander Zverev avança para a sexta final na presente temporada, que é, também, a mais importante da carreira.

A vitória de Zverev congelou a arena londrina e permitiu ao germânico ganhar um lugar no torneio que reúne os oito melhores jogadores do mundo pela segunda vez, depois de no ano passado não ter saído da fase de grupos.

Zverev vai jogar a sua primeira final do ATP World Tour Finals com o vencedor da segunda meia-final, que é entre Novak Djokovic e Kevin Anderson, e que se joga às 20:00.

Incidente marcou o jogo

O jogo ficou marcado por um incidente raro e polémico já na parte final do tie break no segundo set. Após um segundo serviço de Zverev e depois de Federer responder, o alemão pediu a interrupção da jogada porque m dos apanha bolas que estava atrás de Federer deixou cair uma bola...

Apesar dos muitos assobios do público londrino, onde quase 18.000 espetadores torciam contra ele e a favor de Federer, a verdade é que as regras estavam do lado de Zverev, que teve a oportunidade de repetir o ponto e voltar ao primeiro serviço.

No final pediu desculpa e explicou que fez o que tinha a fazer: "Desculpem, sei que estão aqui muitos fãs do Roger. Sei que não foi bonito, mas fiz o que tinha de fazer."

Já Federer preferiu desvalorizar o momento: "Ele pediu-me desculpas, mas eu disse "Meu, cala a boca, não tens de me pedir desculpas'. Ele não precisava de se desculpar, ele apenas parou porque viu a bola cair do apanha-bolas. Tenho a certeza de que não será vaiado na final."

Isto apresar de admitiu que a situação o afetou. "Claro que sim. Levei um ás no ponto seguinte. Mas foi apenas uma infelicidade. Aconteceu, aconteceu e não há nada a fazer. Percebo a situação do público, que leva tudo muito a peito, mas não gosto de vaias. Não concordo com isso e é muito raro no ténis", reconheceu o antigo número 1 mundial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?