Vendeu casa e carro para jogar e agora brilha na Premier League

Neil Etheridge, guarda-redes filipino do Cardiff, defendeu dois penáltis nas primeiras duas jornadas. Há quatro anos, sem clube nem oportunidades, esteve quase a desistir do futebol

Aos 28 anos, em estreia no principal campeonato inglês (e do mundo), Neil Etheridge tem-se destacado como uma das figuras deste arranque de temporada. O guarda-redes dos galeses do Cardiff City já tinha assegurado o seu nome na história ao ser o primeiro jogador das Filipinas a atuar na Premier League, mas conseguiu acrescentar a isso um feito bem mais meritório, ao defender dois penáltis nos primeiros dois jogos realizados.

Etheridge vive dias de sonho, depois de um trajeto recheado de dificuldades até chegar ao topo e que quase o fez desistir do futebol e ir viver para as Filipinas. Apesar de ter nascido em Enfield, nos arredores de Londres, Neil é filho de mãe filipina e desde 2008 é internacional pela seleção daquele país asiático.

Formado nas escolas do Chelsea e do Fulham, dois históricos clubes londrinos, o guarda-redes chegou até a ser chamado aos sub-16 ingleses, mas a sua carreira sofreu na transição para senior e, após algumas lesões e uma sucessão de empréstimos mal sucedidos, Neil Etheridge viu-se em 2014 numa encruzilhada que quase o fez desistir.

Desempregado, após o final de contrato com o Fulham - pelo qual fez apenas um jogo, na Liga Europa -, o guardião ficou cinco meses sem arranjar clube, obrigado a sobreviver sem grandes economias. "Vendi a casa e o carro e estive a uma semana de distância de largar tudo e voltar para as Filipinas", contou Etheridge ao jornal Guardian, em maio passado, quando o Cardiff assegurou a subida à Premier League.

"Treinei no duro, o mais que pude, e continuei à espera que o telefone tocasse"

Durante esse tempo sem clube, Etheridge pagou do seu bolso para treinar com o Charlton, onde já estivera antes por empréstimo e tinha uma amizade forte com o treinador de guarda-redes. "Treinei no duro, o mais que pude, e continuei à espera que o telefone tocasse", lembra. O telefone tocaria mesmo, no final de outubro desse ano (2014). "O Oldham ofereceu-me um contrato para ser guarda-redes suplente e eu aceitei", refere.

Para prosseguir o sonho de construir uma carreira no futebol inglês, mudou-se de Londres para Manchester e ficou a dormir no sofá de um amigo durante o tempo em que esteve no clube da League One (terceira divisão). Só fez um jogo pelo Oldham, pois o Chalrton, onde estivera a treinar, chamou-o de volta para integrar a equipa até final da época. Ainda assim, no verão acabou dispensado. E surgiu o Walsall, onde a sorte de Neil Etheridge começou finalmente a mudar.

No clube de West Middlands, o guarda-redes ganhou tempo de jogo e foi titular em mais de 100 partidas ao longo de dois anos, chamando a atenção de Neil Warnock, manager do Cardiff City, que lhe ofereceu um contrato no verão do ano passado.

Na equipa galesa, Etheridge tornou-se uma das figuras da subida à Premier League e, agora, aos 28 anos e muitas voltas depois, está a aproveitar o palco da melhor forma, destacando-se nas primeiras jornadas da liga mais mediática do mundo. Na ronda inaugural, apesar da derrota frente ao Bournemouth (2-0), o filipino tornou-se o primeiro guarda-redes a defender um penálti no seu jogo de estreia na liga inglesa desde Allan McGregor, do Hull, em 2013. Na segunda jornada, Neil voltou a parar um castigo máximo, numa defesa que desta vez foi mesmo decisiva para o Cardiff ganhar o seu primeiro ponto na prova, ao empatar 0-0 com o Newcastle.

Mais: ao defender dois penaltis nas duas primeiras jornadas, Neil Etheridge igualou um feito com 26 anos - o último a fazê-lo tinha sido o norueguês Erik Thorstvedt, pelo Tottenham, em 1992. E tornou-se assim uma das primeiras grandes histórias desta Premier League 2018/19.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."