Super Ajax elimina Juventus e acaba com sonho de Ronaldo

Holandeses venceram em Turim com uma exibição de gala. Ronaldo falha possibilidade de conquistar a sexta Liga dos Campeões da carreira. Barcelona também apurado para as meias-finais.

A Juventus de Cristiano Ronaldo foi esta terça-feira eliminada da Liga dos Campeões por um super Ajax, que cometeu a proeza de ir vencer por 1-2 a Turim com uma segunda parte de sonho, a lembrar os bons velhos tempos da equipa de Amesterdão. No outro jogo da Champions, o Barcelona apurou-se para as meias-finais com um triunfo categórico sobre o Manchester United, por 3-0. A equipa holandesa fica agora à espera do desfecho do jogo entre o Manchester City e o Tottenham desta quarta-feira para conhecer o adversário na semifinal. Já o Barcelona vai defrontar o vencedor da eliminatória entre o FC Porto e o Liverpool.

Em Turim, a Juventus, com Cancelo no banco e só a entrar na segunda parte, colocou-se em vantagem aos 28 minutos... com um golo de Cristiano Ronaldo, apontado de cabeça, num lance em que foi preciso recorrer ao VAR pois ficaram algumas dúvidas sobre a existência de uma falta na área. O avançado português voltava a marcar outra vez ao conjunto de Amesterdão, outra vez de cabeça, tal como há uma semana no empate a um golo entre as duas equipas. E as coisas pareciam bem encaminhadas para os italianos.

Pareciam, porque o Ajax, com o guarda-redes português Varela no banco, reagiu bem ao golo e mostrou a razão de estar nos quartos-de-final da Champions e de ter deixado pelo caminho nos oitavos de final o Real Madrid, após um triunfo por 1-4 em pleno Santiago Bernabéu. Com o brasileiro David Neres em bom plano e Tadic e Van de Beek muito interventivos, os holandeses foram em busca do empate e chegaram ao golo aos 34', por Van de Beek, num lance com algumas culpas para a defesa da Juventus.

Na segunda parte, o Ajax continuou a causar calafrios à equipa de Allegri, exibindo-se a um nível muito alto e vulgarizando a equipa de Cristiano Ronaldo. Aos 51', Ziyech esteve muito perto do segundo golo, valendo a grande defesa de Szczesny com a mão esquerda a evitar que a bola terminasse no fundo das redes. O guardião da Juventus foi novamente posto à prova aos 57', num grande remate de De Beek.

O Ajax dominava o jogo em Turim e criava situações atrás de situações, perante um conjunto italiano que parecia não ter soluções para contrariar o poderio do adversário.

E aos 66' aconteceu o que se estava à espera, com o capitão De Ligt a marcar de cabeça o segundo do Ajax, na sequência de um canto, e a colocar a sua equipa na frente do marcador, com um resultado que obrigava a Juventus a marcar dois golos. A equipa italiana parecia definitivamente rendida ao grande jogo dos holandeses, sobretudo a um meio-campo de luxo (Pjanic foi completamente anulado) e a um ataque que era um perigo constante.

O apito final chegou (o Ajax ainda viu um golo anulado a Ziyech por fora de jogo) e confirmou-se a eliminação da Juventus e o sonho de a equipa italiana de poder novamente erguer uma Liga dos Campeões, um objetivo que foi assumido quando a equipa fez um grande esforço financeiro no início da época para contratar Cristiano Ronaldo. Já o Ajax conseguiu 22 anos depois marcar novamente presença numa meia-final da competição mais importante de clubes.

O avançado português também viu esfumar-se a possibilidade de conquistar a sexta Champions da carreira, ele que nas últimas oito edições da Liga dos Campeões conseguiu estar sempre nas meias-finais da competição. Já o Ajax fez história, tornando-se na primeira equipa a alcançar as meias-finais da Champions após ultrapassar três eliminatórias prévias à fase de grupos. Além disso foi também o primeiro clube a vencer nos campos do Real Madrid e da Juventus na mesma temporada, em toda a história das competições europeias.

No final do jogo, Andrea Agnelli, presidente da Juventus, admitiu que o Ajax mereceu passar a eliminatória. "Esta equipa do Ajax colocou em apuros a Juventus, o Bayern e o Real Madrid. Obviamente que estamos desiludidos, ficamos sempre quando perdemos, mas de vez em quando, e quando merecem, temos de saber felicitar o rival. Estão a jogar a um nível muito alto e mereceram passar", referiu, aproveitando a oportunidade para deixar claro o futuro do treinador: "O Massimiliano Allegri vai continuar connosco na próxima temporada."

O treinador Massimilano Allegri também não contestou a superioridade do Ajax. "Quando sofres um golo furtuito, o medo instala-se. Na segunda parte não estivemos bem e a abordagem devia ter sido outra. O Ajax merece por completo este resultado e a qualificação. Ronaldo? Já nos deu muito durante a época. Quando jogas uns quartos de final, precisas de todo o plantel disponível. Tens de estar no teu melhor. Durante um mês e meio temos estado a recuperar jogadores, mesmo com o Atlético Madrid estávamos numa situação de emergência", apontou

Barcelona nas asas de Messi

Já o Barcelona recebeu o Manchester United (Nélson Semedo e Diogo Dalot foram suplentes) em Camp Nou com uma margem de confiança considerável, ja que tinha vencido o jogo de há uma semana em Old Trafford por 1-0. Os catalães, que tentam chegar a uma final da Liga dos Campeões quatro anos depois (a última vez foi na temporada 2014/15, quando conquistaram a taça ao baterem a Juventus), resolveram logo a questão ainda na primeira parte, por obra e graça do herói dos costume, o argentino Lionel Messi. No segundo tempo, Coutinho fez o 3-0 aos 61'.

Esta quarta-feira realizam-se os outros dois jogos da Champions que vão definir os restantes semifinalistas da competição. O FC Porto recebe o Liverpool no Dragão e está obrigado a anular uma desvantagem de dois golos sofrida no jogo da primeira mão em Anfield.

Já o Manchester City de Bernardo Silva defronta o Tottenham, também com a obrigatoriedade de vencer pois foi derrotado por 1-0 em Londres há uma semana. A boa notícia para o treinador Pep Guardiola é que os spurs não vão poder contar com o avançado Harry Kane, devido a lesão.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.