Troféus que ajudam a contar a rivalidade entre Sporting e FC Porto

DN desafiou o Museu do Sporting e o Museu do FC Porto a escolherem um objeto com especial significado dentro da história dos clássicos entre leões e dragões. Fique a saber quais são

Entre 230 jogos e quase 100 anos de clássicos entre Sporting e FC Porto, há muitas histórias para contar, multiplicam-se protagonistas destacados e acumulam-se troféus, de um lado e de outro, que simbolizam uma das grandes rivalidades do futebol português.

Duelos diretos em finais de competições (Taça, Supertaça e antigo Campeonato de Portugal), por exemplo, foram 11 entre Sporting e FC Porto, desde 1922 - ano em que ambas as equipas disputaram o primeiro troféu oficial do futebol nacional, na final do Campeonato de Portugal, conquistado pelos portistas.

Mas há campeonatos disputados taco a taco, jogos com goleadas históricas, vinganças saborosas de parte a parte, jogadores "roubados" ao rival, enfim, um sem número de episódios a apimentar a enciclopédia destes clássicos entre dragões e leões.

Para lançar o jogo deste sábado, em Alvalade - o 231.º confronto entre os dois clubes - o DN pediu aos Museus de Sporting e FC Porto que elegessem um objeto das respetivas coleções com especial significado na história do clássico. Curiosamente, tanto num caso como noutro, as escolhas acabaram por recair em troféus que resgatam memórias e proezas da última década do século passado, os anos 1990.

Aqui ficam as escolhas de leões e dragões:

Sporting - Supertaça de 1996

Esta foi uma Supertaça que começou a ser discutida em agosto de 1995, em Alvalade, e só foi decidida em abril de 1996, em Paris, numa finalíssima que pela primeira vez levou a decisão do troféu para lá das fronteiras nacionais.

Depois de um empate a zero em Alvalade e de outra igualdade a 2-2 nas Antas, numa altura em que a Supertaça se disputava a duas mãos, a decisão do troféu ficou marcada para a capital francesa, onde a 30 de abril o Sporting bateu o FC Porto por 3-0, perante os emigrantes que recheavam as bancadas do Parque dos Príncipes.

"É um troféu especial por ter sido decidido junto da comunidade portuguesa em França, num terceiro jogo, já em 1996, de uma Supertaça que dizia respeito ainda à época 1994/95. Foi a primeira Supertaça no estrangeiro e foi superiormente conquistada pelo Sporting, com dois golos do Sá Pinto e um do Carlos Xavier", justifica Miguel Pereira, técnico superior do Museu Sporting.

O troféu, que "pode ser visto na área do museu dedicado ao futebol profissional, na categoria das Supertaças", teve a particularidade ainda de ser conquistado numa altura em que o Sporting era treinado por Otávio Machado, que também passou pelo rival enquanto jogador e treinador, contra uma equipa do FC Porto que então era orientada pelo inglês Bobby Robson, que passara por Alvalade.

FC Porto - Taças do Penta (1995-1999)

Do lado portista, a escolha recaiu não especificamente num troféu, mas nas taças de campeão nacional que simbolizam o histórico pentacampeonato do FC Porto, um feito inédito no futebol português que esta época comemora 20 anos.

"O FC Porto orgulha-se de ter vários momentos com significado histórico para celebrar no contexto da rivalidade com os seus adversários, mas o facto de se tratar de um feito único no futebol português e de este ser ano o do 20.º aniversário leva-nos a escolher o penta", explica Jorge Maurício, diretor de programação do Museu FC Porto.

Dessas cinco taças de campeão, entre 1994/95 e 1998/99, a primeira e a última têm especial significado no universo dos clássicos entre leões e dragões. "Na primeira época do penta, em 1994/95, fomos campeões à 31.ª jornada, a três do fim, em Alvalade, com um golo do Domingos. No último desses cinco títulos, em 1998/99, na penúltima jornada, entrámos em Alvalade já campeões depois de um empate do Boavista, na véspera, ter confirmado matematicamente o título", recorda Jorge Maurício.

Para acrescentar condimentos ao contexto da rivalidade, acrescente-se que o penta portista começou a ganhar forma numa época em que o FC Porto era treinado por Bobby Robson, que confirmou assim em Alvalade o primeiro título de campeão no futebol português.

Revisitada a rivalidade histórica, resta esperar para ver se o clássico deste sábado consegue ganhar direito a algum espaço privilegiado nos museus de Sporting e FC Porto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.